O Olhar Dele Está Sobre o Pardal | World Challenge

O Olhar Dele Está Sobre o Pardal

David WilkersonAugust 21, 2006

O mundo inteiro está tremendo nesse momento devido ao irromper do terror e de calamidades pelo mundo todo. Todo dia acordamos ouvindo de alguma tragédia. Alguns observadores dizem que estamos testemunhando os inícios da 3ª guerra mundial.

Primeiro, terroristas explodem trens na Espanha - e multidões morrem em explosões de trens na Índia. No Paquistão, um terremoto devastador destrói cidades inteiras, deixando milhares desabrigados, famintos e sofrendo. E milhares de pessoas no Extremo Oriente ainda estão sofrendo pelas conseqüências do tsunami.

Aí chegam as devastadoras tragédias nos Estados Unidos. Primeiro, furacões de intensidade recorde golpeiam repetidamente alguns estados - e então o furacão Karina atacou. O país assiste uma de suas maiores áreas metropolitanas quase sendo erradicada do mapa, junto com outras importantes cidades costeiras do Golfo. Nas últimas semanas, extensos incêndios varrem regiões do sul ao oeste, com milhares de quilômetros ardendo por três estados.

Jamais em nossa história houve tantos incêndios e furacões consumindo as regiões com tanta fúria. Mas esses eventos terríveis não estão acontecendo só aqui. A terra está experimentando calor recorde por todo o mundo, causando enormes inundações, chuvas torrenciais e tornados.

Kim Jong Il está correndo para produzir pelo menos sete bombas nucleares com ogivas, enquanto seu pais sofredor e oprimido morre de fome. Os líderes mundiais parecem confusos quanto a como deter as ameaças desse homem insano contra as nações.

Nesse ínterim, um outro ditador louco e possuído pelo Diabo reina em poder no Irã, outro país também correndo para produzir bombas nucleares. Esse ditador e seus mulás ensandecidos se gabam de que vão destruir Israel explodindo a nação inteira, e a levando ao esquecimento. Enquanto isso, lançam ameaças contra o resto do mundo - para que não interfiram em seus planos nucleares, advertindo que bloquearão os suprimentos de petróleo a qualquer país que o tente.

Aí, mais recentemente, há as notícias assustadoras de que Israel retaliou Gaza e o Líbano. O conflito lá está se expandindo rapidamente, com foguetes caindo sobre ambos os lados, matando civis às dezenas. O mundo todo prende a respiração ao assistir ao noticiário, temendo uma guerra em larga escala no Oriente Médio.

Os líderes de Israel deixam claro que não vão tolerar ameaça nuclear da parte do Irã. A única esperança deles pode ser o lançamento de bombas sobre todos os pontos nucleares iranianos. O poder mundial pode invocar um cessar fogo sobre a região, mas isso teria vida curta, tal como todos os outros conflitos na história de Israel desde 1948. Uma grande conflagração no Oriente Médio parece inevitável.

Junto à todas essas calamidades ameaçadoras de todos os lados - guerras, terrorismo, tragédias naturais, ameaças nucleares - há ainda outra ameaça lançada contra a humanidade. Cientistas de todo o mundo estão inquietos ao monitorarem a gripe aviária. Advertem que se houver mutação aos humanos, isso poderia causar pandemia mundial. (Enquanto escrevo isso, cerca de quinze pessoas já morreram.) Os especialistas especulam que tal mutação poderia eliminar um quinto da população mundial. Mais de um bilhão de pessoas morreria.

Os não crentes estão se convencendo de que não restam soluções, de que tudo está indo para o caos porque "não há governo". Mas o povo de Deus vê diferente. Sabemos que não há razão para o medo, pois a Bíblia nos lembra vez após outra que o Senhor tem tudo sob controle. Nada acontece no mundo sem Seu conhecimento e governo.

O salmista escreve, "Pois do Senhor é o reino, é ele quem governa as nações" (Salmo 22:28). Igualmente, o profeta Isaías declara ao mundo, "Chegai-vos, nações, para ouvir, e vós, povos, escutai; ouça a terra, e a sua plenitude, o mundo e tudo quanto produz" (Isaías 34:1). Ele está dizendo, "Ouçam nações, e me dêem ouvidos. Vou lhes falar algo importante sobre o Criador do mundo".

Isaías declara que quando a indignação de Deus for levantada contra as nações e seus exércitos, será o próprio Senhor quem as levará à morte. "Eis que as nações são consideradas por ele como gota dum balde, e como o pó miúdo das balanças...Todas as nações são como nada perante ele; ele considera-as menos do que nada...Ele é o que está assentado sobre o globo da terra, cujos moradores são para ele como gafanhotos...A quem pois me fareis semelhante, para que lhe seja semelhante? diz o Santo ('Com quem vocês vão me comparar? Quem se assemelha a mim?', pergunta o Santo')" (Isaías 40:15, 17, 22, 25).

Isaías então fala ao povo de Deus - povo ferido e perturbado pelos eventos mundiais. Ele aconselha, "Levante os olhos para o céu glorioso. Contemple as milhões de estrelas lá colocadas. O teu Deus criou e deu nome à cada uma delas. Você não é mais precioso a Ele do que elas? Então, não tema".

Devemos saber que há um mapa no céu, um plano que o nosso Pai esboçou para o curso da história. E Ele conhece o fim desde o início. À medida que esse plano se realiza, especialmente em tempos calamitosos como esses, creio que devemos nos fazer a seguinte pergunta: "Em meio a tudo isso - o quê os olhos do Senhor estão focalizando?".

As escrituras nos asseguram que as bombas, os exércitos e os poderes destes homens enlouquecidos são como nada para o Senhor. Ele ri deles, os vê como meras partículas de pó, e breve os soprará para longe. Veja Isaías 40:23-24: "Ele aniquila os príncipes e reduz a nada os juízes deste mundo. Mal eles são plantados ou semeados, mal lançam raízes na terra, Deus sopra sobre eles, e eles murcham; um redemoinho os leva como palha".

Isaías está dizendo: "Basta estas 'sementes' serem plantadas e formarem raízes no solo, e Deus sopra sobre elas e elas secam. Os líderes ímpios da terra são levados em Seu redemoinho, e varridos para longe como palha. Ele os reduz a nada".

Mesmo ao longo de minha vida tenho visto tais tiranos "sendo soprados" como palha. Me lembro eu um dia em tempos de criança, quando andando com meu pai de carro a música no rádio foi interrompida por um noticiário chocante: "Pearl Harbor (território americano) acaba de ser bombardeada pelos japoneses. Boa parte da frota naval foi destruída, e centenas de pessoas foram mortas".

Meu pai pensou, "Tá vendo? É o fim, como temos profetizado". Da noite para o dia, a paisagem dos Estados Unidos mudou, até mesmo em nossa pequenina cidade no interior do estado da Pensilvânia. Blecautes obrigatórios e sirenes de emergência se tornaram parte regular de nossas vidas. Foi uma época de terror, com a guerra se expandindo pelo mundo todo.

Logo após isso, o Extremo Oriente estava em chamas nas ilhas do Pacífico. Centenas de milhares de soldados iriam morrer em duras batalhas e campos de concentração. Enquanto isso, um ditador louco e possuído por demônios chamado Hitler roubava nações do outro lado do globo. Ele parecia imbatível invadindo e dominando países na Europa. Quando o seu regime nazista lançou bombas sobre a poderosa Grã Bretanha, o mundo se olhou em terror. E em sua insanidade demoníaca, ele ordena que os judeus europeus sejam presos, a seguir mortos em câmaras de gás e cremados aos milhões.

Na Rússia, outro ditador insano havia começado matança sistemática de milhões de pessoas de seu próprio país. Stalin era um louco sádico, e o comunismo se tornou uma força poderosa sob seu governo de ferro.

Então um dia chegou a notícia mais aterradora já ouvida pela humanidade: uma bomba atômica havia sido lançada. A maior parte das cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki desapareceu em um minuto, quando a bomba-A exterminou multidões de pessoas. O mundo conheceu então que algo absolutamente horrendo havia sido liberado sobre a terra.

Logo após, o ditador do Japão, Hiroito, a bordo de um navio - de cabeça baixa, em desgraça - assina documentos de rendição. Na Europa, com as forças aliadas chegando, Hitler comete suicídio num bunker subterrâneo em chamas. Quando seus restos foram encontrados, nada restava senão cinzas. Na Rússia, Stalin também teve morte infeliz.

Hoje, o mundo vê outro ditador controlado por demônios, Saddam Hussein, sendo soprado longe como palha. O homem que no passado aterrorizava os próprios compatriotas e ameaçava a região árabe, agora aguarda julgamento. Ele pode ter de enfrentar execução em muito pouco tempo.

Ultimamente, os vemos pelas lentes das escrituras, e quão verdadeiras são essas palavras: “O Senhor sopra sobre eles, e eles são levados com o redemoinho”.

Jesus também nos diz o que devemos fazer quando começarmos a ver alterações no mundo:

“Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas. Na terra, as nações estarão em angústia e perplexidade com o bramido e a agitação do mar. Os homens desmaiarão de terror, apreensivos com o que estará sobrevindo ao mundo; e os poderes celestes serão abalados. Então se verá o Filho do homem vindo numa nuvem com poder e grande glória. Quando começarem a acontecer estas coisas, levantem-se e ergam a cabeça, porque estará próxima a redenção de vocês” (Lucas 21:25-28).

Note que Cristo diz, "Quando começarem a ver essas coisas acontecendo, então olhem para o alto, ergam a cabeça". Isso sugere que as coisas vão piorar e se tornar mais intensas. Por isso, agora é a hora de definir nossos corações - nos aproximarmos do Senhor - e nos tornarmos fundamentados em Sua esperança. Devemos ancorar nossa fé em Sua palavra, e crescer em fé sólida e inabalável.

Qual é a fé sobre a qual devemos nos suster? É a fé de que o Diabo não pode nos ferir. As notícias mais caóticas não podem nos ferir. Todos os ditadores guiados por demônios vão ser soprados longe como palha, e vamos ver Cristo vindo em glória. É isso que nos permite dizer nos tempos maus, "Vivo ou morto, sou do Senhor. Ele é soberano sobre tudo que está acontecendo".

Qual é o grande interesse de Deus em tudo isso? Seriam os acontecimentos no Oriente Médio? Não. A Bíblia diz que a visão de Deus é orientada a focalizar os Seus filhos: "Eis que os olhos do Senhor estão sobre os que o temem, sobre os que esperam na sua misericórdia" (Salmo 33:18).

O nosso Senhor está ciente de cada movimento sobre a terra, de tudo que vive. Mas ainda assim o Seu olhar focaliza primariamente o bem estar dos Seus filhos. Ele fixa os olhos nas dores e nas necessidades de todo membro do Seu corpo espiritual. Em termos simples, tudo que nos fere interessa a Ele.

Para nos provar isso, Jesus diz, "Não tenham medo dos que matam o corpo, mas não podem matar a alma. Antes, tenham medo daquele que pode destruir tanto a alma como o corpo no inferno" (Mateus 10:28). Mesmo em meio à grandes guerras mundiais, o interesse primeiro de Deus não são os tiranos; Ele se concentra em toda circunstância, em cada detalhe - da vida dos Seus filhos.

Precisamente no versículo seguinte Cristo diz: "Não se vendem dois pardais por uma moedinha? Contudo, nenhum deles cai no chão sem o consentimento do Pai de vocês" (10:29). No tempo de Cristo, os pardais eram a carne dos pobres, vendidos a dois por uma moedinha. Nas ruas, os pegadores de pássaros podiam ser vistos carregando cestos cheios de pardais pegos em armadilhas. No entanto, Jesus diz, "Nenhum desses animaizinhos cai no chão sem que vosso Pai o saiba".

Segundo o comentarista bíblico William Barclay, a palavra de Jesus "cai" nesse versículo significa mais do que a morte do pássaro. O sentido em aramaico é "pousa sobre o chão". Em outras palavras, "cai" aqui indica todo pequeno saltitar que um passarinho ferido dá.

Cristo está dizendo em essência, "O olhar do vosso Pai está sobre o pardal, não só quando ele morre, mas mesmo quando pousa no chão. Quando o pardal aprende a voar, ele cai do ninho e começa a saltitar pelo chão. E Deus vê cada pequeno movimento de luta dele. Deus está interessado em cada detalhe da sua vida".

Jesus então acrescenta: "Portanto, não tenham medo; vocês valem mais do que muitos pardais!". (10:31) Em verdade Ele diz: "Até os cabelos da cabeça de vocês estão todos contados" (10:30). Simplificando, Aquele que fez e contou todas as estrelas - que monitorou cada ação do Império Romano, que guarda as galáxias em suas órbitas - tem o olhar fixo em você. E Jesus pergunta: "Será que você não é muito mais valioso para Ele?".

Isaías clama, "Por que você reclama, ó Jacó, e por que se queixa, ó Israel: 'O Senhor não se interessa pela minha situação; o meu Deus não considera a minha causa'"(Isaías 40:27). O povo de Deus havia Lhe acusado: "O Senhor não se interessa por nossas necessidades. Ele não está respondendo nossas orações. Parece que Deus afastou o olhar de nosso sofrimento".

Eu creio que esse é o clamor de muitos cristãos que sofrem dores hoje. O nosso ministério recebe cartas de preciosos crentes que suportam lutas e sofrimentos que agitam totalmente a mente. Quero dar o profundo exemplo de um piedoso pastor que tem enfrentado uma incrível tormenta de lutas - que parecem dolorosas demais para que qualquer pessoa passe por eles.

Começou há poucos anos atrás, quando o pastor deitou seu neto de cinco meses ao lado dele na cama. Ele e a esposa estavam cuidando do menino para a filha, que estava trabalhando. O garoto era uma criança sadia, e a jóia da vida do avô. Mas após algumas horas o pastor acordou para achar seu neto morto pela Síndrome da Morte Súbita Infantil.

A filha do pastor - mãe do menino morto - não conseguiu agüentar a dor da perda do filho. Um ano mais tarde, ela tenta suicídio através de uma overdose de drogas. Ela sobrevive à tentativa, mas fica com seqüela cerebral grave. Agora o pastor e a esposa são os cuidadores em tempo integral da filha, atendendo às suas necessidades dia e noite.

Aí, após um ano, o filho mais novo do pastor é acusado de dois assassinatos. Um é a morte de um traficante que fornecia drogas à irmã do jovem. Esse filho agora jaz na cadeia, aguardando julgamento e enfrentando possibilidade da pena de morte.

Nesse crescendo de sofrimentos angustiantes, o pastor enfrentou uma hora de crise. Aconteceu uma semana antes do natal. Ele estava sofrendo tanto que fugiu para seu escritório, onde chorou copiosamente agarrado à foto do neto.

Essa história continua, mas quero parar aqui para focalizar a inacreditável dor desse servo de Deus.

Não consigo imaginar o quê esse pastor estava passando. Ele havia perdido seu precioso neto, a filha tinha lesão cerebral, e agora o filho aguardava uma sentença de morte. Ele só conseguia pensar "Senhor, a dor é maior do que eu. Não sei como prosseguir".

Eu lhe pergunto: no quê estavam focalizados os olhos de Deus naquele momento? Estaria Ele ocupado em algum outro lugar, cuidando de um mundo enlouquecido? Estaria Ele preocupado com os eventos assustadores que estão ocorrendo? Ou, você acha impossível que os olhos de Deus estivessem focalizados na dor e no caos vividos por esse homem justo? O salmista dá a resposta: "Os olhos do Senhor repousam sobre os justos, e os seus ouvidos estão abertos ao seu clamor" (Salmo 34:15).

Imagine, por um instante, uma árvore junto à janela do escritório deste pastor. Nessa árvore há um ninho, onde um pequeno pardal está experimentando as asas, começando a aprender a voar. Quando o passarinho salta do ninho e cái sobre o chão, Deus nota isso.

Agora, se você olhasse por aquela janela e visse isso acontecendo, me diga: como não acreditar que Deus também havia notado a dor e o choro desse amado homem? Como não crer que Deus foi tocado pelos sentimentos desse sofrimento? Como não crer que Deus estivesse contando cada uma de suas lágrimas, e houvesse acionado uma saída para o Seu servo?

O pastor escreve:

"Posso verdadeiramente lhe dizer, o próprio Jesus entrou em meu escritório aquele dia e assentou-se diante da escrivaninha. O Senhor amorosamente me fez saber que eu tinha duas escolhas: primeiro, eu poderia desistir e abandonar a luta. Se o fizesse, poderia contar a todos amigos sobre os meus problemas e os motivos de desistir - e eles compreenderiam. Eu estava livre para fazer essa escolha, e Jesus iria compreender e continuar me amando."

"Ou, Ele disse, eu poderia ganhar encorajamento e caminhar para enfrentar o futuro - pois Ele ainda não havia acabado Sua obra comigo. Estas eram as minhas duas e únicas escolhas. Não se tratava de aspereza da parte do Senhor. Simplesmente essas eram as únicas duas escolhas que eu tinha."

"Escolhi me levantar e prosseguir. Antes de sair, coloquei o retrato de meu neto na gaveta de minha escrivaninha. Havia se passado quase um ano. As minha batalhas não acabaram, mas sei que a mão de Jesus está sobre mim. Ele veio a mim e me deu a coragem para prosseguir. E a despeito de mais provações, continuo na força da Sua palavra".

Amado, esse homem tem uma compreensão do amor de Deus como nunca antes na vida. Ele colocou sobre Jesus toda dor, toda amargura, toda preocupação - e confiou a vida ao Seu plano.

Estou convencido de que, muito freqüentemente, é de amor que necessitamos em nossos sofrimentos, e não de respostas. Respostas podem ir só até certo ponto quando uma pessoa está subjugada pela dor profunda. É o amor dominador do Pai - e as mãos amorosas de nossos irmãos e irmãs, alcançando-nos - que serve como resposta dEle em nossas situações mais difíceis. Não devemos medir nossa fé nessas ocasiões, pois pode não ter sobrado muita coisa. Mas podemos olhar e ver um pardal pela janela, e sabermos que somos o foco do amor de nosso Pai.

Cristo descreveu os últimos dias como sendo um tempo cheio de dificuldades e temores, "Os homens desmaiarão de terror, apreensivos com o que estará sobrevindo ao mundo...Na terra, as nações estarão em angústia e perplexidade" (Lucas 21:26,25).

O quê Jesus nos deu para nos prepararmos em face destas calamidades? Qual foi o Seu antídoto para o medo que viria?

Ele nos deu a ilustração de nosso Pai observando o pardal, de Deus numerando cada fio de cabelo de nossa cabeça. Tais ilustrações se tornam ainda mais significativas quando consideramos o contexto no qual Jesus as deu.

Ele deu estas ilustrações aos doze discípulos quando os enviou a evangelizar as cidades e vilas de Israel. Ele tinha acabado de lhes conceder o poder para expelir demônios, e curar todos os tipos de doenças e enfermidades. Pense em quão estimulante esse momento deve ter sido para os discípulos. Foi-lhes dado poder para operar milagres e maravilhas! Mas aí vieram os avisos atemorizadores do Mestre:

"Vocês não terão dinheiro algum no bolso. E não terão lar, nem mesmo um teto sob o qual dormir; antes, serão chamados de hereges e demônios. Serão agredidos nas sinagogas, arrastados para os juízes, lançados à prisão. Serão odiados e desprezados, atraiçoados e perseguidos. Vocês terão de fugir de cidade em cidade para evitar serem apedrejados".

Agora visualize estes homens de olhos arregalados ouvindo Jesus. Eles devem ter ficado sufocados pelo medo. Eu os imagino se perguntando. "Que tipo de ministério é esse? O meu futuro vai ser assim? Essa é a idéia mais triste de vida que já ouvi".

Contudo, exatamente nessa mesma cena, Jesus diz a estes amados amigos três vezes: "Não temais!" (Mateus 10:26,28,31). E lhes deu o antídoto para todo medo: "Os olhos do Pai estão sempre sobre o pardal. Quanto mais estarão sempre sobre vocês, amados dEle?" (v. 10:29).

Prezado santo, cá está uma profunda verdade da qual podemos nos apropriar para os mais tumultuosos dos dias. Jesus está dizendo, "Quando as dúvidas lhe chegarem como um dilúvio - quando você chegar ao limite, e achar que ninguém está vendo o que está passando - eis como encontrar repouso e segurança".

"Olhe os passarinhos pela janela. E corra os dedos pelos cabelos. Aí lembre-se do que Eu lhes disse: esses pequeninos animais são de imenso valor para o Pai. E os teus cabelos devem lhe lembrar que tu és de muito maior valor para Ele. O olhar dEle está sempre sobre ti. E Aquele que vê e ouve cada mover teu, está perto".

É assim que o nosso Pai cuida de nós nos tempos difíceis. Ele está sempre ciente de cada detalhe de nossas vidas - de nossas famílias, nossa casa, nossas finanças, nosso casamento - e está interessado em cada um dos aspectos. Não devemos temer! Ele promete nos criar livramento.

Download PDF