CURA PARA ESSA ALMA ATRIBULADA | World Challenge

CURA PARA ESSA ALMA ATRIBULADA

David Wilkerson (1931-2011)March 23, 2018

Um jovem pastor ligou-se, pronto para abandonar o seu ministério. O Senhor vinha usando-o de uma forma maravilhosa, mas, agora, ele estava desanimado, sentindo-se desprezível, inútil, sem valor algum para Deus. Quando ele me ligou, estava devastado a respeito de algumas decisões que tinha tomado e indicou que estava prestes a desistir. Estava irado com Deus e, enquanto falava comigo, sentia que ele esperava que eu estivesse irado com ele. Porém, ele estava tão quebrantado e desanimado que eu sentia apenas o amor e a compaixão de Deus por ele.

Eu não repreendi este jovem pastor, nem o censurei. Ao invés disso, eu orava em silêncio: “Querido Senhor, o que posso dizer para este homem que irá curar a sua alma atribulada? O que tens para ele? Qual é o conforto do seu Espírito e da sua Palavra?”

O Senhor lembrou-me: “Envie para ele o Salmo 107.” Mais tarde, descobri que este salmo foi intitulado “a festa de amor do Velho Testamento.” É uma das passagens mais encorajadoras em toda a Palavra de Deus e é dedicado, especialmente, para aqueles que precisam de perdão, libertação e restauração. O último versículo promete ao leitor um entendimento de quem Deus realmente é:

“Reflitam nisso os sábios e considerem a bondade do Senhor” (Salmos 107:43).

Deus está dizendo: “Observe, leia, estude este salmo e você receberá um entendimento profundo da minha longanimidade e bondade.” Eu acredito que, ao estudar este salmo, você receberá uma revelação do imenso amor de Deus, até mesmo para o rebelde e desobediente. Veja, é uma promessa – prova de que Deus nunca desistirá de qualquer um dos seus filhos, independentemente de quão profundo ele possa ter se afundado.

Considere o quanto você ama o seu próprio filho. Existe algo tão precioso que alguém poderia fazer que o fizesse rejeitá-lo? Quanto mais o Pai celestial que ama os seus próprios filhos e demonstra amor e perdão! Os seus ouvidos estão sempre abertos para o seu clamor.

Download PDF