AMANDO DEUS – AMANDO PESSOAS​ | World Challenge

AMANDO DEUS – AMANDO PESSOAS​

Gary Wilkerson
January 15, 2018

Eu estou movido pelo Espírito Santo para dizer a você a coisa mais simples que você já ouviu. Você pode pensar que, ao passar pela vida, precisamos de uma teologia mais profunda e complexa para entender tudo. Mas o oposto é verdadeiro. A coisa mais importante que eu poderia te dizer é esta: seu Pai ama você.

Nenhuma verdade, nenhum fato, nenhuma realidade é maior, mais profunda ou melhor do que esta. Talvez você pense: “Eu já sei disso. É o primeiro passo na vida cristã. Por que essa notícia é supostamente reveladora?”.

Eu sou obrigado a escrever sobre isso porque é a única verdade que os cristãos têm mais dificuldade em entender do que qualquer outra. E, como você diz, é a única coisa que precisamos saber no nosso interior. Se quisermos ter um impacto para Jesus, essa verdade sólida deve estar no centro.

Jesus sabia que teríamos problemas para compreender isso. É por isso que Ele disse aos discípulos: “É melhor para vocês que Eu vá embora, porque se Eu não for, o Advogado não virá. Se eu for embora, então Eu O enviarei para vocês” (João 16:7). Claro, o Advogado é o Espírito Santo, o Ajudador, Consolador. Por que Jesus seria obrigado a nos enviar um Consolador? Foi porque Ele sabia que ficaríamos desconfortáveis.

Viver neste mundo quebrado e caído traz muita tribulação em nosso caminho. Algumas delas podem ser excruciantes, envolvendo nossa saúde, nossos filhos, nossa própria sobrevivência. Para superar tudo, precisamos conhecer uma coisa acima de tudo: que temos um Pai que nos ama. Essa é a realidade que o Espírito de Deus traz à nossa memória quando estamos angustiando nas provações.

David parecia conhecer a presença do Consolador quando escreveu: “Quão preciosos são os seus pensamentos sobre mim, ó Deus. Eles não podem ser numerados” (Salmo 139:17). Outra tradução diz: “Quão preciosos são os pensamentos que Tu se preocupa em relação a mim”.

Isso me impressiona muito. Deus pensa em mim? Uma coisa é saber que o Senhor me ama; isso é apenas um fato teológico.

Mas é outra coisa saber que ele realmente pensa em mim – que, na verdade, ele nunca deixa de pensar em mim. É impossível compreender. No entanto, Deus está nos dizendo através do salmo de Davi: “Você não precisa se esforçar para me fazer prestar atenção a você. Eu já estou focado em você”.

Ao crescer, ouvi um tipo diferente de declaração teológica: "Quando Deus olha para você, ele não vê você. Ele vê Jesus”. A ideia era que somos pecadores aos olhos do Pai – mas ele não vê nosso pecado porque estamos cobertos por Jesus, que não tem pecado.

Mas, quando criança, não queria ser retirado de vista. Eu queria que Deus me visse! Eu não ligaria ter recebido um abraço ou um encontro cara a cara com o Pai celestial que eu imaginava. E eu acho que eu estava buscando algo. Alguns dos pensamentos de Deus podem envolver correção ou repreensão, mas todos são bons pensamentos, baseados no amor puro.

Infelizmente, a maioria de nós não imagina Deus desse jeito. Imaginamos seus pensamentos como: “Mais um movimento assim e eu vou remover minha presença de você”. Não, diz Davi. Os pensamentos de Deus sobre nós são preciosos. Eles são amorosos de uma maneira que nunca podemos compreender completamente. Somos queridos pelo nosso Pai, e ele ama nossa companhia. E os planos que ele tem para nós são para o nosso bem.

Quando se trata do conhecer o amor do Pai, a jornada de 45 centímetros, da nossa cabeça ao nosso coração, é a mais difícil de realizar.

Eu sou o tipo de cristão que ama encher minha cabeça com teologia. E, como um jovem ministro em desenvolvimento, eu adorava invadir a biblioteca do meu pai. Eu li volumes sobre todas as alianças que Deus fez com o homem, desde as feitas com Noé, Abraão e Davi até a Nova Aliança. Um dia eu estava no meu estudo quando percebi uma cutucada do Senhor: “Você quer que eu revele mais da minha Nova Aliança a você?" Claro que eu quis!

No instante seguinte, uma música infantil de escola dominical entrou em meus pensamentos: “Jesus me ama e isso eu sei, pois a Bíblia me diz isso. Os pequenos lhe pertencem, eles são fracos, mas ele é forte. Sim, Jesus me ama. Sim, Jesus me ama. Sim, Jesus me ama. A Bíblia me diz isso”.

Jesus me ama – isso parece tão simples. E, no entanto, fui dominado como se entendesse o amor de Deus pela primeira vez. A única palavra que saltou de mim foi curiosamente: “Sim”. Sim, ele realmente me ama. Sim, o Filho de Deus derramou sua vida na cruz por mim em amor. Sim, sim, sim, é tudo verdade – meu Pai celestial me ama.

Essas três palavras - "Eu te amo" - são o cerne da Nova Aliança. Se nós realmente conhecêssemos o amor do Pai, não só na nossa cabeça, mas em nossos corações, isso mudaria tudo. E João nos diz que podemos saber, com certeza, se conhecemos o amor de Deus. Tudo o que temos de fazer é olhar em nossos corações com este simples medidor: “O amor perfeito lança fora todo o medo. Se temos medo, é por medo da punição, e isso mostra que não experimentamos plenamente Seu amor perfeito” (1 João 4:18).

Enchemos nossas mentes com pensamentos sobre o amor de nosso Pai? Ou estamos preocupados com autojulgamento com base em nosso desempenho? “Eu apresentei o Senhor bem a esse não cristão? Eu fui gentil o suficiente para o caixa do supermercado?” Não, não, não – o amor perfeito de Deus lança fora todo o medo de fazer tudo certo. E ele o substitui com amor.

Na verdade, é impossível que a graça de Deus e nosso medo carnal ocupem o mesmo espaço em nossos corações. Um vai empurrar o outro. Se conhecemos o amor perfeito de Deus, ele irá substituir todo o medo, colocando-se no centro. E conhecer seu amor leva à liberdade. “Vocês conhecerão a verdade e a verdade vos libertará” (João 8:32).

Conhecer o amor do Pai muda completamente a maneira como vivemos nosso chamado.

Quando estamos livres do medo, somos livres para amar os outros de forma completa. Agora, eu amo o ministério e amo pregar; são as pessoas que eu não tenho tanta certeza. Mais e mais, amar pessoas é o que eu quero da vida – mas isso pode ser uma verdadeira batalha para um introvertido como eu. Se achegar aos outros pode ser intimidante. Posso apresentar Deus de forma errada, dizer algo incorreto, talvez até tirar o foco de alguém de Cristo.

Paulo aborda esses medos quando escreve: “‘Quem pode conhecer os pensamentos do Senhor? Quem sabe o suficiente para ensiná-Lo?’ Mas nós entendemos essas coisas, pois temos a mente de Cristo” (1 Coríntios 2:16). A mente de Cristo? Isso parece ainda mais intimidador! No entanto, sou lembrado pelo Espírito Santo: “Não é sobre você, Gary. É sobre o que eu faço através de você.” Isso me liberta para amar.

Ter a mente de Cristo parece um profundo mistério teológico. Mas, na realidade, é muito simples: levamos uma luz para o mundo porque temos Jesus em nós. E ele nos ordena não esconder essa luz sob um alqueire de medo. Pensamos em sua luz como uma luz brilhante para abrir os olhos do perdido. No entanto, ela também ilumina nossas próprias mentes, para sabermos como ministrar.

Alguns meses atrás, Kelly e eu estávamos fazendo compras no shopping local. Parei em um quiosque onde um jovem estava demonstrando uma máquina que envia sinais elétricos através do corpo. Não consigo pensar em nenhum item que eu menos precisarei na vida, mas eu disse a ele: “Me ligue a maquina”. Assim que ele estava prestes a ligar a máquina – e eu estava me arrependendo da minha ideia – seu chefe se aproximou. E fiquei com vontade de falar com ela sobre Jesus.

Ela rapidamente me parou dizendo: “Eu sou judia”. Isso é o suficiente para interromper qualquer conversa sobre o evangelho hoje. Em nosso clima cultural, isso é um tipo de “não” para os cristãos testemunhar para as pessoas de outras religiões. Em primeiro lugar, isso não é visto como amor, mas como proselitismo. Segundo, isso implica que os outros estão errados – outro tipo de “não” cultural. Eu não me importava, porque senti que tinha a mente de Cristo.

“Tudo bem, Jesus ama o povo judeu”, eu disse. “Na verdade, ele era um! Além disso, ele também ama muçulmanos, budistas, ateus e todos os outros”.

Com isso, ela ficou tranquila. E então perguntei se ela precisava de uma oração por qualquer coisa. Imediatamente ela abriu seu bolso e me mostrou uma foto de sua filha de dois anos. “Eu fico tão preocupada com ela”, disse ela, claramente preocupada com o mundo em que sua menina cresceria. “Sim, adoraria oração”.

Kelly e eu tomamos suas mãos e oramos com ela – bem no centro do shopping, enquanto uma máquina de sinal elétrico emitia um sinal sonoro perto de nós.

Se confiarmos nele, o Espírito Santo nos levará aos lugares mais estranhos para compartilhar o amor do Pai – lugares que nunca veríamos como campos de colheita. No entanto, é aí que ele faz o seu trabalho – então é onde precisamos estar.

Acabei de comprar uma nova Bíblia, não marcada, e eu pretendo sublinhar muitas coisas de maneira diferente do que antes.

Todos nós somos idealistas quando se trata de estudo bíblico. Terminamos sublinhando muitos ideais que definimos para nós mesmos. Mas na maioria das vezes é um exercício fútil. Nós marcamos promessas de Deus e nunca o buscamos para que as cumpra. Sublinhamos chamadas para ações que nunca acabamos fazendo. Não quero ser negativo sobre isso – eu só quero que sejamos realistas sobre a muita culpa desnecessária que colocamos em nós mesmos – culpa que não faz nada de bom a Deus ou a seu Reino.

Não é complicado obedecer ao comando de Jesus de “Ide por todo o mundo e proclamai o evangelho para toda a criação” (Marcos 16:15). Quando ele fala de “todo o mundo”, isso inclui o mundo cotidiano que habitamos – o supermercado, o posto de gasolina, o shopping, nosso escritório, a nossa escola. É aí que ele faz sua glória conhecida. O “público-alvo” de seu amor não é um conceito sem rosto em um quadro branco – são os nossos vizinhos de carne e osso.

No entanto, onde fazemos a maioria de nossas conversas sobre o evangelho? Na Igreja. Em um estudo bíblico. Em uma reunião de grupo nas casas. Este não é “todo o mundo” que Jesus está falando. A comissão que ele nos dá é entregue em termos tão simples que é espantoso: “Ide, pois, e fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a observar tudo o que tenho ordenado” (Mateus 28:19).

Sim, é simples assim. E Jesus ensinou que era simples. Ouça sua resposta aos líderes religiosos de seu tempo, as mentes teológicas mais brilhantes da época: “Um deles, doutor da lei, interrogou-o, dizendo: ‘Mestre, qual é o mandamento mais importante na Lei de Moisés? ’ Jesus respondeu: “Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, toda a sua alma e toda a sua mente”. Este é o primeiro e o maior mandamento. Um segundo é igualmente importante: “Amarás ao teu próximo como a ti mesmo”. A lei inteira e todas as exigências dos profetas baseiam-se nestes dois mandamentos” (Mateus 22: 35-40).

Quero observar duas coisas sobre a resposta de Jesus aqui. (Você pode sublinhar isso em sua nova Bíblia!) Primeiro, há apenas uma palavra em comum em ambos os mandamentos: o verbo amor. Segundo, Jesus diz que amar nosso próximo é “igualmente importante” como amar a Deus. Uau! Isso tira o servir Deus para fora do domínio do mistério e coloca-o em um terreno sólido. Isso é simples assim.

Agora olhe para a vida que Jesus demonstrou a nós: “Jesus andava fazendo o bem e curando todos os oprimidos pelo diabo, porque Deus estava com ele" (Atos 10:38). Eu quero esse tipo de vida – aquela que ama a Deus e ama as pessoas. Não uma vida que mantém uma lista de afazeres da Bíblia, ou persegue mistérios teológicos, ou que fala sobre o amor do Pai apenas para outros cristãos.

Amigo, você quer ser libertado de todo medo? Você quer superar todo autojulgamento? Você quer ter a mente de Cristo? A resposta é muito simples: "O Pai te ama". Agora, vá e faça o mesmo.

Download PDF