Ele Faz Cessar As Guerras | World Challenge

Ele Faz Cessar As Guerras

David WilkersonJuly 1, 1984

Ele faz cessar as guerras... (Salmos 46:9)

Que boas novas para um filho de Deus que esteja destruído e despedaçado por conflito na alma: ELE faz cessar as guerras. Alívio bendito: a batalha dentro de minha alma é a batalha dEle, e somente Ele pode acabar com ela. Meu amoroso Pai não permitirá que a carne ou o Diabo me intimidem e me levem à derrota. Minha guerra é claramente definida por Tiago, que escreve:

"De onde procedem guerras e contendas que há entre vós? De onde, senão dos prazeres que militam na vossa carne?...viveis a lutar e a fazer guerras..." (Tiago 4:1,2).

Através dos tempos santos homens de Deus têm feito a mesma pergunta, "Será que a guerra da cobiça que há em mim algum dia terminará enquanto eu viver?". Não é essa a mesma pergunta que está sendo feita hoje pelos que seguem integralmente ao Senhor?

A resposta naturalmente é que a guerra precisa e irá acabar, e inevitavelmente será seguida pela maior paz já conhecida. Mas como a guerra acaba, e quem a terminará? Se a batalha é minha e é obrigação minha finalizá-la, Deus deve me mostrar como. Se verdadeiramente a batalha é dEle, então Ele deve terminá-la no Seu tempo e ao Seu modo - e me dará paciência enquanto a luta prossegue.

A palavra grega usada por Tiago é "stratenomai" que sugere: guerra contra tendências carnais; um soldado em guerra. Deriva de "stratia" que significa: hoste, um exército acampado. Davi não diz de "exércitos acampados contra nós"? As nossas lascívias e inclinações carnais vêm contra nós como um exército - hostes malignas determinadas a nos enfraquecer e a nos manter agitados, na esperança de fazer nossa fé naufragar.

Se você estudar a palavra hebraica para guerra usada por Davi no Salmo 46:9, isso lhe será motivo de grande júbilo. É "milchamah" que significa: alimentar-se de, consumir, devorar, comer, dominar. Deriva da raiz que sugere alimento ou pão para um animal.

O que a Palavra realmente nos diz aqui é simplesmente maravilhoso: Deus vai fazer o inimigo parar de nos consumir, de nos devorar. Ajudará a nos livrar daquele que está nos destruindo. Ele não vai mais permitir que a lascívia se alimente de nós ou nos domine. Não iremos mais servir de alimento para a natureza animal - Deus fará cessar a nossa guerra contra a cobiça.

O objetivo final de Deus para todos os Seus filhos é uma vida plena, abundante. Ele nunca teve intenção de atravessarmos a vida nos concentrando em nossos pecados e falhas. As boas novas do evangelho é que servimos um Deus de absoluto amor - um Deus misericordioso que deseja levar os Seus amados à uma posição de ascendência e elevação acima de toda agitação. Mas não poderemos tomar nosso lugar - assentados com Cristo nos lugares celestiais - enquanto não estivermos plenamente identificados com a Sua morte e ressurreição.

Dê uma boa olhada na situação na qual você está, com todos os temores, os vazios, a solidão, os fracassos e o comprometimento com o pecado. Avalie o quão pouco da paz prometida pelo Senhor você realmente possui. Você chegou muito longe de ser aquilo que sabe ser um cristão triunfante. Porém sabe que a Palavra de Deus fala claramente de vitória, de descanso e paz, de libertação do domínio do pecado. Você viu pessoas que abriram caminho e avançaram para aquela linda vida de segurança e de ascendência sobre as forças do mal. Como chegaram à essa vitória? Como avançar, como abrir caminho?

O Espírito Santo precisa nos levar à Cruz e nos fazer enfrentar a realidade de morrer para o mundo e para o pecado. No momento que começar a procurar o Senhor diligentemente, e estiver desejando estar sob o Seu senhorio em todas as coisas, você será irresistivelmente atraído à Cruz pelo Espírito. Será induzido ao precipício da morte. Será levado ao seu limite. Chegará lá nu, enfraquecido, e sem mais confiança na carne.

Estou convencido de que o Espírito Santo está levando a Sua igreja de volta às gloriosas verdades de identificação com Cristo na morte, na ressurreição, e na ascensão. Muitos se tornaram legalistas, e nós com muita freqüência usamos um plano de santificação por meio das obras, ao invés de pela identificação com a obra consumada por Cristo na cruz. Sempre digo que o Cenáculo nunca deve fazer sombra sobre a Cruz. Acredito que o movimento carismático todo está sendo levado de volta à Cruz e a tudo que ela implica.

Não falo pelos outros, mas sei que Deus tem tido terríveis dificuldades em me fazer enfrentar a Cruz. A morte é uma coisa assustadora, especialmente se você não pode ver a glória no outro lado dela. Vamos à Cruz dando pontapés e gritando, agarrando-nos a qualquer pequena satisfação ou prazer terrenos. Sabemos que a Cruz é inevitável, então damos os nossos últimos passos satisfazendo todos os sentidos, desfrutando de uma última tentativa na busca de algo. Parece que estamos dizendo, “Comamos e bebamos, pois amanhã morreremos". Queremos vitória; queremos a paz e a alegria da vida ressurrecta - mas também queremos tudo que for possível numa última tentativa. Essa tentativa pode durar um bom tempo, e podemos cair numa boa profundidade de contemporizações e concessões. Se o coração não se mantiver voltado para a Cruz durante esse tempo, há um risco de o tempo ir se prolongando e cairmos no erro e no desânimo. Então, o caminho de volta seria longo.

Na natureza, a doença faz o seu maior estrago no corpo um pouco antes da morte; assim é no espírito. Você pode ter chegado à pior de sua condição um pouco antes de morrer com Cristo. O inferno o assaltará com todos os recursos do seu arsenal. Fará você se defrontar com tribulações e tentações que virão sobre si com a força de um furacão. Você se perguntará às vezes se está perdido, ao invés de sendo dirigido à Cruz.

Harry Foster, um santo homem de Deus, escreveu, “Pode vir sobre você uma espécie de escuridão, uma espécie de apatia; mais que isso, um desespero, um peso, um senso da irrealidade das coisas, e isso se torna um grande campo de provação".

Deus não tolera o pecado, mas é sempre paciente com os que estão no limiar da crucificação com Cristo. O quanto ultimamente tenho experimentado dessa paciência maravilhosa do Senhor ao me aproximar mais e mais da Cruz. Sei que o único caminho para a gloriosa vitória é avançar à Cruz através da crucificação do eu. No entanto quanto mais próximo fico de estar plenamente identificado com a morte do Senhor, com a Sua Cruz, mais falhas tenho visto em minha vida. É como se o próprio Satanás tivesse ouvido o grito de minha alma, "Senhor, quero avançar". A fornalha da aflição e da tentação se aquece várias vezes mais. E sim, tenho fracassado com o Senhor de maneira dolorosa nestes terríveis ataques. Ainda assim durante esse tempo, mais que nunca senti a presença do Senhor e a busca do Espírito por mim. Ele calmamente me assegura de Seu amor eterno, apesar dos meus fracassos. Assegura que irá me carregar até o fim - e que o inimigo pode me atacar, mas não pode deter o inevitável. Chegarei, por meio de revelação, ao pleno conhecimento do que significa ser crucificado com Cristo, sepultado com Ele, e ressuscitado em renovação e poder.

Há várias passagens das escrituras que sugerem que devemos mortificar - fazer morrer - crucificar - os nossos membros na terra. Dizem para tomarmos nossa Cruz e seguirmos a Cristo. Mas isto não quer dizer que o devamos fazer com nossa própria força.

Suponha que o médico me descubra um caroço no pescoço que o preocupa, e me diga, "Isso precisa ser operado imediatamente". Ele não está sugerindo que eu mesmo faça a operação - isso é trabalho dele. Cristo, nosso Grande Médico, nos diz que necessitamos ser mortificados, ser crucificados. Mas seria fatal nós executarmos tal operação em nós mesmos. Tão seguramente quanto somos "guardados pelo poder de Deus, mediante a fé para a salvação" - assim somos crucificados pela fé.

O Dr. Donald Barnhouse, numa mensagem intitulada "Céu Agora". escreve, "Um homem pode se enforcar, se afogar, atirar em si mesmo, se apunhalar, se jogar de um lugar alto - mas não pode se crucificar - pregar uma mão na Cruz, e a outra ficar livre. A crucificação deve ser feita por outra pessoa. E nossa crucificação e morte devem ser feitas para nós por Cristo".

O Dr. Barnhouse teve uma rara experiência de "avanço" enquanto estava a bordo de um navio cruzando o Atlântico. Testificou:

"Lembro-me tão bem do primeiro dia em que fui ao céu. Eu estava a bordo, viajando sozinho. Havia resolvido ler o livro de Efésios uma centena de vezes atravessando o Atlântico. Eu o conhecia de cor desde os dias de minha juventude. Tinha o Novo Testamento na mão, e estava descansando na cadeira do convés, dando-me a conhecer o seu significado. De repente vi a grande verdade sobre a qual eu explicava há pouco. O meu coração pulou com alegria inexprimível. Vi o novo e vivo caminho indo de mim até o trono de Deus, com o Senhor Jesus Cristo assentado lá, desejando que eu me unisse a Ele. Era como olhar um castelo através de uma longa alameda arborizada. Felizmente eu estava quase só no meu setor do convés. Levantei o Novo Testamento num gesto brusco, como se fosse o cabo da espada, o que realmente é, e com toda a verdade de Efésios em chamas em mim, gritei – em completo silêncio no que diz respeito aos ouvidos humanos: ‘Senhor, estou avançando agora!'. Acredito que esse grito incitou todas as forças do inferno. Senti seus olhares repulsivos e odiosos. Mas soube então que eles estavam absolutamente derrotados. Tinham sido vencidos pelo Cordeiro e estavam prestes a serem aniquilados por causa da palavra do meu testemunho, pois eu estava totalmente unido a um Senhor ressurrecto e elevado aos céus. Afastem-se, cães aduladores do inferno! Deitem-se em seus canis! Os seus dentes caninos foram retirados em favor dos que se identificam com o Senhor ascendido. E gritei, 'Senhor, não tenho capacidade para isto; vindo forças que estejam além das minhas possibilidades, trate Tu com elas. Mesmo Miguel, o arcanjo, chamou-Te para negociar diretamente com Satanás. Nada devo ser em mim, mas tudo em Cristo’. E, de repente vi, longe de mim, lá embaixo, (alguém passando por lá teria dito que havia um passageiro meio-adormecido, inclinando-se sobre um dos joelhos) o meu navio, um ponto minúsculo num mar azul. Eu sabia que era um dos pontinhos desse navio; mas sabia que doravante esse navio e esse oceano e esse mundo nunca mais teriam importância alguma.

Eu estava nas regiões celestiais, unido pela fé a meu Senhor. Ele estava mais próximo do que quando O vi na Cruz. A vida eterna que Ele me deu quando fui salvo era agora conscientizada como sendo a vida de eternidade que eu tinha o privilégio de viver aquele momento. Eu iria passar o resto de minha vida assentado nos lugares celestiais com Cristo."

Concordo com Barnhouse em que o dia da Páscoa foi também o meu dia de ressurreição e que quando Cristo morreu eu morri; quando foi levantado, fui levantado. Como bem ele expressou:

"Quando Cristo ascendeu aos céus pelo poder do Pai eu fui levantado da terra ao céu com Ele; quando o Pai entronizou Seu Filho bem acima de tudo, havia também um assento preparado lá para a Noiva. Então não me refreie estar no meu lugar legítimo! Não faça da Igreja uma Noiva exilada! Não me detenha na parede da separação que Cristo derrubou. Não me pare diante dos portões que Cristo destrancou. Não permaneçam meus passos num mar que Ele transformou em cristal diante de mim. Não me proíba de entrar no véu, por onde o Noivo foi antes de mim. Cristo morreu; Cristo ressuscitou; Cristo ascendeu; Cristo tomou-nos com Ele!”

"Acredite! Aceite a ousadia que Ele dá, ingresse no que há de mais sagrado e tome o nosso lugar legítimo. Os céus querem uma Noiva triunfante já! E enquanto não surge aquilo que seremos, ainda somos muito pequenos em relação ao que Deus quer que sejamos. Que estejamos agora onde deveríamos estar; sejamos agora o que deveríamos ser. Tantas coisas que não são agora, realmente poderiam ser, se tomássemos nosso assento sobre o trono do céu".

Um dos meus escritores favoritos é C. H. Mackintosh. A sua visão da Cruz me fez gritar e regozijar em inúmeras ocasiões. Compartilho com você pequenas porções sobre sua visão exaltada da Expiação.

"A Cruz é o divino remédio para toda a ruína, e através dessa Cruz o crente é introduzido num lugar de privilégio divino e perpétuo. Cristo supriu todas as necessidades, respondeu todas as exigências, descarregou todas as responsabilidades, e, tendo feito tudo isso através de Sua morte na Cruz, tornou-se, na ressurreição, a base de todos os privilégios do crente. Temos tudo em Cristo, e O recebemos, não porque cumprimos nossas responsabilidades, mas porque Deus nos amou mesmo tendo nós fracassado em tudo. Achamo-nos, incondicionalmente, numa situação de privilégio inexprimível. Nós não trabalhamos para isto; nós não choramos para isto; nós não oramos para isto; nós não jejuamos para isto. Fomos tomados da profundeza de nossa ruína, daquele abismo em que tínhamos caído - por conseqüência de termos fracassado em todas as nossas responsabilidades; fomos postos abaixo, mas pela gratuita graça de Deus, levados à uma posição de bem-aventurança e privilégio inexprimíveis, da qual nada jamais poderá nos privar. Nem todos os poderes de inferno e da terra juntos - nem toda a malícia de Satanás e seus emissários - nem todo o poder do pecado, da morte, e da sepultura, arranjados em sua forma mais terrível, jamais poderão arrebatar o crente em Jesus desse lugar de privilégio no qual, pela graça, ele está colocado.”

"Não alcançamos nosso lugar de privilégio como resultado de fidelidade ao invés de responsabilidade. Pelo contrário. Fracassamos em tudo. ‘Todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus'. Merecemos a morte; mas recebemos a vida. Merecemos o inferno; mas recebemos o céu. Merecemos a ira eterna; mas recebemos o favor eterno. A graça entrou em cena, e 'reina pela justiça, para a vida eterna, por Jesus Cristo nosso Senhor'.”

"Oh, profundo mistério da Cruz! O glorioso mistério do amor que redime! Vejo o próprio Deus tomando sobre Si todos os meus pecados – a categoria negra e terrível - todos os meus pecados, conforme tomava conhecimento deles e avaliava. Vejo-O colocando tudo sobre a cabeça de meu bendito Substituto e tratando com Ele acerca deles. Vejo todas as ondas e vagas da justa ira de Deus - Sua ira contra meus pecados - Sua ira que poderia ter me consumido, alma e corpo no inferno por toda uma sombria eternidade; vejo-as causando turbulência a Quem ficou em meu lugar, a Quem me representou diante de Deus, a Quem sofreu tudo que era devido a mim, com Quem um Deus santo tratou quando devia ter tratado comigo. Vejo uma justiça, uma santidade, uma verdade e uma retidão inflexíveis tratando com meus pecados, e deixando claro um livramento eterno delas. Nenhuma delas foi prejudicada! Inexistiu conivência alguma, nenhum relaxamento, nenhuma hesitação, nenhuma indiferença. Não haveria nenhuma possibilidade de isso acontecer, uma vez que Deus tomou isso em Suas próprias mãos. Sua glória estava em jogo, Sua santidade sem mácula, Sua eterna majestade, as reivindicações supremas do Seu governo.”

"Tudo isso teria de ser providenciado com muita sabedoria de modo que Ele fosse glorificado à vista de anjos, homens, e demônios; Ele poderia ter me enviado para o inferno – com justiça, corretamente, enviar-me para o inferno - por causa dos meus pecados. Eu não merecia nada além disso. Todo meu ser moral, desde sua mais extrema profundidade, reconhece isto - deve reconhecê-lo. Eu não tenho uma palavra a dizer nem desculpa para um único pensamento pecaminoso, nada a dizer de uma vida manchada pelo pecado do princípio ao fim - sim, uma vida de pecados intencionais, de arrogância e rebeliões.”

"Outros podem argumentar o quanto se agradam com a injustiça de uma eternidade de castigo para uma vida de pecado – a total necessidade da proporção entre alguns anos de erros e tempos intermináveis de tormento no lago de fogo. Podem argumentar. Mas eu acredito inteiramente, e sem reservas confesso, que por causa de um único pecado contra um Ser como o Deus que vejo na Cruz, eu de longe mereceria castigo perpétuo no profundo, escuro e triste abismo do inferno. Eu não escrevo como um teólogo; se eu fosse, seria uma tarefa muito fácil de fato trazer incontestáveis evidências das Escrituras que provam a verdade solene do castigo eterno. Mas não; escrevo como alguém que divinamente aprendeu sobre o verdadeiro deserto do pecado, e esse deserto, eu tranqüila, deliberada, e solenemente declaro, é e pode ser nada menos que a eterna exclusão da presença de Deus e do Cordeiro - tormento eterno no lago que queima com fogo e enxofre.”

"Mas - aleluias eternas ao Deus de toda graça! Em vez de nos enviar para o inferno por causa de nossos pecados, Ele enviou Seu Filho a fim de ser a propiciação para esses pecados. E ao aclarar o maravilhoso plano de redenção, vemos um Deus santo lidando com a questão dos nossos pecados, e executando julgamento sobre eles na Pessoa do Seu bem-amado, eterno e co-semelhante Filho, a fim de que uma inundação do Seu amor possa fluir em nossos corações. ‘Nisto está o amor, não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou a nós, e enviou seu Filho para propiciação pelos nossos pecados.’ (1 João 4:10).”

"Ora, isto deve dar paz à consciência, se somente for recebido na simplicidade da fé. Como é possível para uma pessoa acreditar que Deus Se satisfez quanto aos seus pecados e não ter paz? Se Deus nos diz, 'De seus pecados e iniqüidades não me lembrarei', o que mais poderemos desejar como base de paz para a nossa consciência? Se Deus me assegura que todos os meus pecados estão cobertos como densas nuvens - que foram lançados longe, eternamente fora de Sua vista - eu não devo ter paz? Se Ele me mostra o Homem que levou meus pecados na Cruz, agora coroado à destra da Majestade nos céus - não deveria a minha alma entrar em descanso perfeito na questão dos meus pecados? Seguramente.”

"Bendito eternamente seja o Deus de toda graça porque não apenas a remissão dos pecados é anunciada a nós através da morte expiatória de Cristo. Apenas isso já seria uma consolação e uma bênção da mais alta ordem; e, como vimos, desfrutamos de tudo isto segundo a grandeza do coração de Deus, e segundo o valor e a eficácia da morte de Cristo, conforme avaliação de Deus. Mas além da plena e perfeita remissão dos pecados, temos também completo livramento do presente poder do pecado.”

"Este é um ponto grandioso para todo verdadeiro amante da santidade. De acordo com a gloriosa economia da graça, a mesma obra que assegura a remissão completa dos pecados quebrou para sempre o poder de pecado. Não apenas os pecados da vida são apagados, mas o pecado da natureza é condenado. O crente tem o privilégio de ver a si próprio morto para o pecado. Pode cantar, com o coração alegre,

Por mim, Senhor Jesus, morreste,
E eu morri em Ti;
Tu foste levantado, minhas ataduras estão todas desatadas,
E agora Tu vives em mim.
A face do Pai, plena de radiante graça
Brilha agora em luz sobre mim".

É impossível entender o que significa estar morto em Cristo e ressuscitado com Ele em poder sem uma revelação do Espírito Santo. Mas tão seguramente quanto o próprio Deus deve cessar nossas guerras, Ele deve nos mostrar o que significa estar crucificado com Cristo. Sem essa revelação, a avaliação de nós mesmos como estando mortos em Cristo são palavras sem sentido.

Descanso no conselho de meu falecido pai. Ele resumia assim: "Permaneça perto de Jesus. Você pode nunca entender plenamente como tudo funciona, mas estará desfrutando de tudo que Ele concede, só de ficar perto dEle”.

Depois que a Palavra diz que é Deus que faz cessar a guerra, é acrescentado isto: "Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus...” (Salmo 46:10).

A palavra hebraica para "aquietar" é "raphah" que significa: cessar; deixar em paz; tornar-se fraco, débil. É da raiz "rapha", que é: emendar e ser tornado inteiramente novo pela mão do médico.

O quão profundamente consistente é a Palavra de Deus. Deus faz cessar as guerras e, até que Ele acabe Sua obra, temos de cessar nossos esforços de autojustificação, deixar tudo em Suas mãos, admitir nossas fraquezas e debilidades, e confiarmos nosso futuro e restauração às mãos de Cristo, o nosso Grande Médico.

JA você - pastor, professor, cantor, obreiro da igreja, amado crente: o seu conflito interior está lhe deixando em pedaços? Você pode ser esbofeteado por Satanás, mas ele não pode machucá-lo nem destruí-lo. Muito provavelmente, você está sendo despojado em preparação à uma revelação gloriosa da Cruz – para que possa estar preparado a um maior serviço a Deus.

Você é como Pedro que foi despido de tudo antes de ir para o Pentecostes. Veja este grande homem de Deus vagando errante nas colinas da Judéia – em seu momento mais fraco. Eis um homem de Deus que havia andado sobre as águas; que ajudou a alimentar multidões milagrosamente; que visivelmente experimentou a glória real de Deus; um servo abençoado, proeminente e útil, amado por Cristo. Mas pecou gravemente. Fracassou com o Senhor como outros poucos fizeram. Agora chora e lamenta, achando que perdeu a salvação e o ministério.

"O que há de errado comigo?" - deve ter se perguntado várias vezes. "Por que não tive poder nem força na tentação? Por que não tive reserva moral? Por que não tive vontade pra resistir o inimigo? Por que tinha que ser eu a cair? Como um homem de Deus pode fazer coisa tão horrenda ao Senhor? Como pude ter pregado a outros, não tendo poder algum eu mesmo na crise?”

Deus não causou o fracasso do Pedro, mas grande benefício surgiu disso. Foi uma parte do desnudamento do homem de Deus - permitido para revelar o que estava enraizado profundamente no homem interior. Só um fracasso pode expor o orgulho e a auto-suficiência. O fracasso quebrou a agitação, a inquietude, e revelou-lhe a necessidade de dependência absoluta do Senhor para tudo - incluindo sua pureza e retidão.

Devemos ser despidos antes de sermos crucificados. Devemos chegar à sombra da morte antes de experimentarmos a morte. É na sombra da Cruz, antes de nosso avanço à ressurreição, que suportamos as nossas maiores tentações e fracassos.

Louvado seja Deus! Como Pedro, depois de sermos peneirados nas mãos de Satanás, estaremos em nosso Cenáculo e nos serão doados novo poder e nova força.

Na semana passada, depois de suportar meses de sofrimento intenso na minha família, meu filho esteve numa colisão de auto com perda total. Fui chamado ao local. Enquanto estava a caminho para o local do acidente eu exclamava, "Deus, é Satanás outra vez - tentando naufragar a minha fé. Mas ele não pode me matar nem a qualquer de meus filhos”. Quando cheguei, meu filho Greg de 20 anos veio correndo para mim, totalmente ileso. Choramos e agradecemos Deus que mais uma vez fez cessar uma guerra.

Download PDF

DAILY ENCOURAGEMENT IN YOUR INBOX

Sign up now to receive our Daily Devotional or E-newsletter.

SUBSCRIBE