INTIMIDADE COM DEUS | World Challenge

INTIMIDADE COM DEUS

Gary WilkersonMay 21, 2018

De Sua Presença Vem as Obras de Jesus

Em um tempo, o nome Vince Lombardi era familiar para todas as famílias americanas. Ele foi um ícone cultural nos anos sessenta com o seu sucesso como treinador de futebol da NFL. Mas sua abordagem no treino se aplicava a grande parte da vida, e as pessoas percebiam isso. Até as mães que ficavam em casa sabiam os ditos de Lombardi, porque seus filhos o citavam com tanta frequência quanto os líderes empresariais famosos mundialmente faziam.

Quando Lombardi conseguiu um trabalho de treinador principal, seus jogadores do Green Bay Packers já eram um time habilidoso. Eles sabiam como identificar um ataque e o que esperar de uma defesa 4-3. Então, quando Lombardi entrou pela primeira vez na sala de reuniões carregando uma bola de futebol, eles se perguntaram que sabedoria especial ele tinha para eles. Ele enfatizaria ofensa ou defesa? Ele traria novos esquemas estratégicos?

“Senhores”, disse Lombardi, simplesmente segurando a bola, “isso é uma bola de futebol”. Pareceu bobo. Mas o que Lombardi estava dizendo era: “Vamos começar com o básico. Porque todos nós precisamos saber o porquê estamos aqui”.

Todo cristão que está lendo isso precisa se perguntar: “Eu sei o porquê estou aqui?”. É uma questão crucial para qualquer seguidor de Jesus. Todos nós temos que nos perguntar de tempo em tempo. Como líder de ministério, ocasionalmente pergunto a mim mesmo e aos meus colaboradores: “Por que estamos aqui? Por que fazemos o que fazemos? Qual é o nosso propósito?”.

A resposta curta, superficialmente, é que conduzimos um ministério mundial para edificar o corpo de Cristo, alcançar os perdidos e ministrar cuidado amoroso aos necessitados. Fazer essas coisas significa que precisamos saber como executá-las – ter planos, estratégias e sistemas em funcionamento. E nós temos. Mas a verdadeira resposta à minha questão central - “Por que estamos aqui?” - é a mesma coisa tanto para o mais jovem discípulo de Cristo quanto para o mais sábio líder de ministério secular. A resposta é: “Estamos aqui para ministrar a Jesus”.

Eu tenho visto um padrão terrível na igreja nas últimas décadas. Isso começou com o movimento de crescimento da igreja, um fenômeno que deu origem à ideia de que as estratégias corporativas poderiam promover o reino de Deus. Se esses movimentos fossem responder à “Pergunta Lombardi” sobre seu propósito de ser, eles admitiriam: “Estamos aqui para crescer, expandir, trazer mais”.

Se você vê isso como o seu propósito no reino de Deus, então você já está perdido. Não me entenda mal: Fazer crescer uma igreja ou um evangelismo não é uma coisa ruim. E seria errado dizer que o movimento de crescimento da igreja tem sido todo ruim. Mas esse movimento tem focado as energias da igreja de maneira trágica. Tem nos afastado de nossa fonte de vida, Jesus, e nos direcionou aos propósitos e planos auto direcionados.

Deixe-me repetir minha resposta à pergunta Lombardi, que se aplica a todo crente, igreja e evangelismo: estamos aqui para ministrar a Jesus. E nós não podemos ministrar ao nosso Salvador e Senhor a menos que comecemos em sua presença.

Nenhum cristão será mal direcionado, extraviado ou enganado se ele ou ela começar na presença de Cristo e nunca o deixar.

Nenhuma figura bíblica precisou mais de planos estratégicos do que o Rei Davi. Ele enfrentou exércitos inimigos que exigiram um pensamento rápido e intencional em meio a situações de vida ou morte. E ele teve que governar um reino dividido entre Israel e Judá. Então, como Davi cumpriu seus propósitos para trazer glória a Deus e acabar como o mais renomado rei de Israel?

Não foi por causa do pensamento estratégico. Davi moveu-se em vitória porque seu coração, em todas as situações, estava em ministrar ao Senhor. A Bíblia deixa isso claro em suas ações e em todos os salmos adoráveis e desejáveis que ele escreveu. Ministrar ao Senhor estava sempre na frente enquanto Davi perseguiu as obras que Deus colocou diante dele.

Samuel foi conhecido como um grande profeta em Israel, mas não por causa de suas relações estratégicas com reis e líderes. As escrituras deixam claro que Samuel tinha um coração para ministrar ao Senhor desde muito jovem. Mesmo quando menino, Samuel estava continuamente no Templo buscando a presença de Deus – e esse relacionamento, acima de tudo, deu a Samuel influencia com pessoas do mais baixo nível de vida até os mais altos cargos da terra.

Davi e Samuel nos mostram que, para realizar as obras de Deus, precisamos conhecer sua presença. E o mesmo vale para todos os crentes hoje: Seguir o Senhor significa estar focado em Jesus, centrado em Jesus e empoderado por Jesus. A Bíblia chama Cristo de o Alfa e o Ômega – o começo e o fim de todas as coisas – e isso se aplica às nossas vidas. Ele tem que ser tudo para nós.

Dizem que não há divisão de trabalho no reino de Deus. Somos todos chamados como ministros do evangelho, não importa qual seja o nosso trabalho ou vocação. Conheci algumas das pessoas mais pobres e carentes do mundo e algumas são evangelistas poderosas para o Senhor. Todos eles têm uma coisa em comum com o falecido e incrível Billy Graham: Quando você os conhece, você sabe que eles passaram tempo na presença de Deus. Isso faz toda diferença, não importa qual seja a nossa posição na vida.

É fácil, até mesmo para o cristão mais dedicado, se desviar de seu propósito de ministrar a Jesus.

Muitos ministros hoje estão mais confortáveis implementando planos do que sentados na presença de Jesus. O “novo normal” para os líderes da igreja é ser um estrategista tanto quanto um ministro. Eu acho que alguns pastores temem intimidade com Deus. Afinal, é muito mais fácil criar estratégias por conta própria do que manter Cristo no centro, voltando-se para ele para tudo.

Para ser claro, quando falo de estar na presença de Deus ou receber orientação dele, não estou falando de uma experiência mística e reveladora. Muitos de nós temos uma ideia errada do que é “estar na presença de Deus”. Nós tendemos a pensar nisso como um sentimento ou emoção ou um momento sobrenatural. Todas essas coisas podem acompanhar a presença de Deus, mas não a define. A presença de Deus é simplesmente ele mesmo, seu ser. Não precisamos de nenhum tipo de experiência para que sua presença sobrenatural seja uma realidade em nossas vidas.

Com o Espírito Santo residindo em nós, temos sempre a presença de Deus – e isso é uma coisa incrível, como Paulo diz: “Deus escolheu dar a conhecer, entre os gentios, quão grande são as riquezas da glória deste mistério, que é Cristo em vós, a esperança da glória” (Colossenses 1:27).

Nos tempos do Antigo Testamento, o Senhor tornava conhecida a sua presença ao rasgar os céus ou manifestar-se através de uma coluna de fogo ou de uma nuvem de fumaça. Quando Jesus veio, mudou como nós experimentamos a presença de Deus. Através de Cristo, nós realmente conseguimos ver a presença de Deus. A vida de Jesus revelou exatamente como Deus é – quão cheio de amor, graça, misericórdia, poder, verdade e justiça ele é. O Filho de Deus veio a Terra como uma representação exata da natureza do Pai celestial.

É ainda mais incrível que compartilhamos dessa natureza divina, através do Espírito Santo que vive em nós. Uma transformação ocorre quando aceitamos a Jesus: “Seu poder divino nos concedeu todas as coisas que pertencem à vida e à piedade, através do conhecimento daquele que nos chamou para sua própria glória e excelência, pela qual nos concedeu suas preciosas e grandes promessas, para que por meio delas você se torne participante da natureza divina, tendo escapado da corrupção que há no mundo por causa do desejo pecaminoso” (2 Pedro 1: 3-4, minha ênfase).

Então, o que significa exatamente ter a natureza de Deus em nós? Significa que não precisamos tentar ser santos; somos santos, em virtude de sua presença em nós. Nós não temos que tentar ser aceitáveis; somos feitos aceitáveis por ele. Nós não temos que tentar ser bons; nós já somos bons pela sua natureza divina, que reside em nós através do seu Espírito.

Alguma vez você já se perguntou como seria viver cada dia totalmente livre da vergonha? Ser completamente livre de culpa, sem medo da acusação de alguém? O que esse tipo de liberdade faria à sua vida? Eu posso te dizer: você teria uma vida sem medo. Você poderia viver com abandono. Você poderia fazer qualquer coisa, no entanto, o Senhor levou você, sem impedimentos ou condenação.

Amigo, essa é exatamente a vida que Jesus comprou para você. E, no entanto, você provavelmente ainda não chegou lá, não é? A maioria de nós não está lá – mas nós temos esse potencial. É por isso que Paulo nos exorta a seu próprio exemplo: “Uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que estão adiante de mim, prossigo em direção ao alvo, para ganhar o prêmio do chamado de Deus em Cristo Jesus. Que aqueles de nós que são maduros pensem assim, e se em qualquer coisa você pensa de outra maneira, Deus revelará isso também a você” (Filipenses 3: 14-15).

Embora possamos estar livres da condenação, nunca seremos totalmente livres de batalhas mentais.

Como Paulo aponta, esta é apenas a natureza do mundo espiritual em que nos movemos: “Pois não lutamos contra carne e sangue, mas contra os governantes, contra as autoridades, contra os poderes cósmicos sobre esta escuridão presente, contra as forças espirituais do mal nos lugares celestiais” (Efésios 6:12).

À medida que mergulhamos na Palavra de Deus, suas promessas se tornam mais fortes em nossas mentes do que qualquer mensagem enviada pelo inimigo. Sua Palavra autoritária rompe as cadeias de medo, dúvida e incredulidade que nos impedem. “Pois quem compreendeu a mente do Senhor para instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo” (1 Coríntios 2:16).

Aqui está outro aspecto da presença de Deus em nós: ter a mente de Cristo. Não importa que batalhas mentais enfrentamos, nossa posição é sempre de vitória, porque vivemos e nos movemos na presença de Deus. Mesmo nos nossos piores dias, somos mantidos juntos, sustentados e colocados em paz pela vida e mente de Cristo dentro de nós. No entanto, quebrar as correntes é apenas o começo do trabalho de Jesus em nós. Quanto mais tempo passamos com ele, mais ele nos prepara para fazer suas obras: “A razão pela qual o Filho de Deus apareceu foi para destruir as obras do diabo” (1 João 3: 8).

Para fazer as obras de Jesus, temos que viver a vida de Jesus. Isso pode parecer uma heresia para você. Mas como João instrui: “Aquele que diz que permanece nele deve andar da mesma maneira em que andou” (1 João 2:6). Se não levarmos a presença de Cristo em nossas vidas diárias, simplesmente não temos o direito de fazer suas obras. Por quê? Porque essas obras nascem em sua presença. Jesus disse até mesmo de si mesmo: “O Filho nada pode fazer por si mesmo, senão somente o que ele vê fazendo o Pai” (João 5:19).

Intimidade com ele é o começo do nosso fortalecimento para fazer suas obras na terra. Nós simplesmente não podemos avançar nesses trabalhos sem isso. Eu recomendo a você: encontre seu Salvador em oração. Lembre-se de suas incríveis promessas através de sua Palavra. Ele é fiel em guiá-lo pela presença de seu Espírito em você. Faça desse seu primeiro passo em fazer as obras de Jesus: conhecê-lo intimamente. É um trabalho que você pode começar hoje. Amém!

Download PDF