O Último Reavivamento | World Challenge

O Último Reavivamento

David WilkersonApril 11, 1988

A Igreja do Novo Testamento nasceu em um fulgor de glória. O Espírito Santo desceu sobre ela com fogo, e os primeiros cristãos falaram em línguas e profetizaram. Experimentavam a esmagadora convicção de culpa, e multidões se convertiam. Eles irrompiam pela direita e pela esquerda e cresceram grandemente. O temor de Deus caiu sobre eles e sobre todos os que o viam. Houve sinais, maravilhas e milagres. Mortos foram ressuscitados. Evangelistas íam por toda a parte pregando a Palavra. As prisões não podiam segurá-los. As tempestades não os abatiam. Quando suas possessões lhes eram tomadas, continuavam a rejubilar-se. Quando eram apedrejados, enforcados, queimados ou crucificados, eles cantavam e louvavam a Deus. Era uma Igreja triunfante, não tinha medo de Satanás, irreverente para com os ídolos, inabalada por pragas ou perseguição. Era uma Igreja lavada no sangue, vivendo e morrendo em vitória.

Como será a Igreja da última hora? Como a Igreja se sairá em sua hora final? Sairá como uma Igreja gorda, próspera, egoísta, enumerando as pessoas, obtendo votos? Será ela tão-só um punhado de verdadeiros crentes sobrevivendo, observando a morte e a apostasia consumi-la como um câncer? Viverá a Igreja dos últimos dias em terror e medo à medida que a AIDS e outras pragas devastam as massas? Será cada vez menor o número dos que vencem o mundo? A frieza e a apostasia deixá-la-ão fraca, escarnecida e impotente? Sairá a Igreja desta era de hipocrisia, com grande louvor, adoração e reuniões de oração onde mãos sujas e corações impuros oferecem fogo estranho?

Sem dúvida, haverá um grande afastamento ou apostasia. Haverá prostituição espiritual por todos os lados. Devido à abundância do pecado o amor de muitos esfriará. Virão enganadores, ensinando doutrinas de demônios. As pessoas terão comichão nos ouvidos e se ajuntarão para ouvir pregações brandas. Os enganos serão tão nocivos que até os eleitos serão postos severamente à prova.

Mas a Igreja de Jesus Cristo não vai sair com lamúria ou hesitação. Ela vai sair vitoriosa, com alegria indizível, flutuando em um rio de paz. Ela vai sair liberta de toda escravidão, com o pé no pescoço de Satanás. E cada membro desta verdadeira Igreja viverá e morrerá sem medo. O poder do tentador será quebrado. Os cristãos serão santos e derrubarão os ídolos. Eles serão tão fortes no Senhor como os primeiros cristãos.

Haverá uma grande reunião antes da vinda de Jesus? Poderemos esperar para ver o ultimo e poderoso derramamento do Espírito, maior do que qualquer outro na história? Não está dito que apenas um remanescente continuará com Cristo? Não profetizou Joel "para os remanescentes que o Senhor deverá chamar?" Não é verdade que no presente apenas um pequeno remanescente deseja ouvir falar sobre santidade?

Necessitamos entender o que significa "um remanescente." É verdade que será apenas uma pequena porcentagem quando comparada com bilhões de pessoas que vivem na terra. Todavia, mesmo 10% da Cidade de Nova York representariam mais de um milhão de vencedores. O remanescente significa também "aquilo que resta do original". Os que costuram sabem que um remanescente é um pedaço do tecido original. Igreja remanescente é aquela que tem o mesmo caráter da Igreja original do Novo Testamento.

Desejo fazer uma declaração com a maior autoridade espiritual possível: faço-a apoiado por uma aliança tão segura quanto aquela feita com Noé. Haverá um reavivamento final, à meia-noite, reavivamento que irromperá de todos os lados. Sião terá dores de parto e muitos, muitos filhos serão dados a ela. Haverá um grande cântico e gritaria, e Sião dirá: "De onde vieram todos estes?" Será um reavivamento de justiça.

Durante anos tenho ouvido pregadores dos velhos tempos falar do último reavivamento. Um querido amigo vem pregando isso por mais de 60 anos. Agora os jovens pregadores estão orando pelo reavivamento; querem ver Deus operar nos dias atuais e não apenas ler a respeito disso nos livros. Não basta apenas pregar sobre reavivamentos do passado. Por que orar, por que buscar o reavivamento, se ele não é prometido na Bíblia? Se a Bíblia diz que estamos fora do limite da esperança, tão-somente evangelizemos e preguemos, e não nos preocupemos com os resultados. Se, porém, o reavivamento é prometido, os cristãos precisam vê-lo, apoderar-se dele , e orar com fé, sabendo que Deus prometeu realizá-lo. Está na Palavra? A promessa encontra-se no capítulo 54 de Isaías. Este é um dos mais importantes capítulos da Palavra de Deus para esta geração. Diz-nos ali de forma clara o que Deus pretende fazer com sua Igreja, com seu povo, nos últimos dias. O capítulo profetiza o que vai acontecer na igreja de Times Square, bem como em toda a parte onde houver corações famintos. Acontecerá na Rússia, na China, em cada terra, cada ilha marítima, desde o pólo Norte até o pólo Sul.

A Igreja vai experimentar um derramamento de amor, de misericórdia e de bondade, que ela não merece. Virá um tempo de grande aflição, com uma tempestade devastando, com ansiedade por todos os lados, quando a sociedade estará sendo jogada de um lado para o outro. Deus promete revelar-se em grande bondade: "mas com benignidade eterna me compadecerei de ti, diz o Senhor, o Teu Redentor...contudo o meu constante amor não se desviará de ti, nem será removida a aliança da minha paz, diz o Senhor, que se compadece de ti" (Isaías 54:8-10). Aquilo que Deus está dizendo à Igreja, está também dizendo, individualmente, aos crentes. Deus está falando à pessoa "oprimida, arrojada com a tormenta e desconsolada" (Isaías 54:11). Trata-se de você? Será que você está experimentando uma desordem repentina, violenta? Sim, isto inclui a economia. Também inclui a situação alarmante do mundo.

Mas o maior interesse de Deus é com os que em qualquer tempo foram seus amados, até mesmo os apóstatas e os vencidos por uma repentina e violenta tempestade de tentações. Sua promessa é para os que neste instante passam por grande aflição, atirados em uma tormenta, desconsolados, desesperançosos e perdidos. Deus vai cortejar, com o intuito de trazer de volta, um povo apóstata, abandonado. "Pois o Teu Criador é o teu marido - o Senhor dos Exércitos é o seu nome - o Santo de Israel é o teu Redentor; Ele será chamado o Deus de toda a terra. O Senhor te chamará como a mulher desamparada e triste de espírito, com a mulher da mocidade, que fora desprezada, diz o Teu Deus. Por breve momento te deixei, mas com grande compaixão te recolherei. Em grande ira escondi a minha face de ti por um momento, mas com benignidade eterna me compadecerei de ti, diz o Senhor, o teu Redentor" (Isaías 54:5-8).

Alguns poderiam alegar que isto refere-se aos judeus, o Israel da carne. Mas a Palavra prova o contrário, pois Paulo chama a este capítulo de alegoria ou de representação simbólica (veja Gálatas 4:22-31). Este trecho fala sobre a Jerusalém lá de cima. Se estas promessas se destinavam aos judeus, elas nunca se cumpriram. Cerca de 42.000 saíram do cativeiro babilônico, e se multiplicaram, chegando a quase três milhões no tempo de Cristo. Eles não "transbordaram para a direita e para a esquerda" conforme prometido em Isaías 54:3. Esta é uma profecia para a Igreja dos últimos dias - uma Igreja que Ele abandonou momentaneamente.

Quem é o repudiado e por breve tempo abandonado? De quem Ele se esconde num ímpeto de indignação? Pode estar certo de que Deus não se retiraria sem motivo. Que é que O faria esconder o rosto? "Mas as vossas iniqüidades fazem divisão entre vós e o vosso Deus, e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça" (Isaías 59:2). Deus não se divorciou da Igreja acomodada dos dias atuais, mas Ele escondeu dela o Seu rosto. Ela O deixou, deixou o Seu amado. "Assim diz o Senhor: Onde está a carta de divórcio de vossa mãe, pela qual eu a repudiei? Ou quem é o meu credor, a quem eu vos tenha vendido? Por causa das vossas maldades fostes vendidos; por causa das vossas transgressões vossa mãe foi repudiada" (Isaías 50:1).

Deus disse, " Você se afastou de mim. Você amou a outros. Você me traiu; cometeu adultério. Eu não a deixei - você é que me deixou! Tive de repudia-la porque você se vendeu à prostituição." A Igreja fugiu para a Babilônia, mas ainda não está divorciada. Porque Deus diz, "Mostre-me os documentos! Mostre-me a nota de venda onde eu a vendi ao diabo!" Deus está dizendo, "Não estamos vivendo juntos, mas o divórcio não é definitivo. O casamento não está perdido. Eu ainda amo você. Você me deixou, entretanto eu chamei e chamei, e você recusou-se a ouvir." "Quando eu vim, por que ninguém apareceu? Quando chamei, por que ninguém respondeu?" (Isaías 50:2).

A esta esposa prostituta, corrompida pelo pecado, apóstata, vadia, Deus promete, "Vou chamá-la de volta." "Pois assim diz o Senhor: Por nada fostes vendidos, e sem dinheiro sereis resgatados " (Isaías 52:3). E de novo, "O Senhor te chamará como a mulher desamparada e triste de espírito" (Isaías 54:6). Até mesmo agora se ouve o som deste resgate final: "… com grande compaixão te recolherei" (Isaías 54:7).

Primeiro, Ele chamará os ímpios que nunca o conheceram. "Vede, eu o dei por testemunho aos povos, como príncipe e governador dos povos. Certamente chamarás a uma nação que não conheces, e uma nação que nunca te conheceu correrá para a ti, por amor do Senhor teu Deus, e do Santo de Israel, pois Ele te glorificou. Buscai ao Senhor enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto. Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus pensamentos. Converta-se ao Senhor, que se compadecerá dele, e torne para o nosso Deus, pois grandioso é em perdoar" (Isaías 55:4-7).

Isto aconteceu na Igreja do Novo Testamento, quando os gentios correram para Cristo. Os pagãos viram a luz e responderam.Porém, uma vez mais, no último reavivamento de misericórdia e bondade, os perversos vão ouvir. Multidões correrão para o Senhor. Eles abandonarão seus maus caminhos e invocarão seu Pai. Os que O rejeitam blasfemarão e se tornarão violentos.

Segundo, Ele vai oferecer consolo, cura e restauração a todos os que O rejeitaram. "Eu vi os seus caminhos, mas o sararei; Eu o guiarei, e lhe tornarei a dar consolo" (Isaías 57:18). Quão emocionado deve ter ficado Isaías ao trazer esta mensagem. Lembre-se, a comissão do profeta era, "Engorda o coração deste povo, endurece-lhes os ouvidos, e fecha-lhes os olhos. Não venha ele a ver com os seus olhos, a ouvir com os seus ouvidos, e a entender com o seu coração, e a converter-se , e seja sarado" (Isaías 6:10). Agora Deus estava dizendo, "Por amor do meu próprio nome, eu perdoarei a esta noiva corrompida e a chamarei de volta."

"Eu, eu mesmo, sou o que apago as tuas transgressões por amor de mim, e dos teus pecados não me lembro" (Isaías 43:25). Pense nos milhões de cristãos apóstatas por esse mundo afora. Em nossas reuniões de rua, metade dos convertidos é de apóstatas, os que rejeitaram a Deus. De igual modo é na igreja de Times Square. Que reavivamento há de ser quando as multidões de cristãos apóstatas estiverem de volta! Pregadores apóstatas serão persuadidos a voltar, e eles se tornarão os santos de Sião. Crianças presas por drogas, álcool, sexo, dúvida e medo, ouvirão o chamado divino, e multidões voltarão. Os viciados, os alcoólatras, as prostitutas, os homossexuais, as vítimas da AIDS, e os apóstatas miseráveis serão chamados por Ele.

O derramamento de misericórdia da parte de Deus ignorará o pecado? Nunca. Os que rejeitaram a Deus são os que outrora provaram o gosto do Espírito Santo. No passado eles O conheceram. O Senhor enviará o Espírito Santo, seu mensageiro, com uma palavra de amor, chamando-os à lembrança. Ele enviará o Espírito Santo para lhes trazer à mente todas as suas palavras amorosas, e quão amável foi o relacionamento deles no passado; lembrar-lhes-á também o quanto Ele os protegeu, amou e abençoou. "Sobre a casa de Davi e sobre os habitantes de Jerusalém derramarei o Espírito de graça e de súplicas. Olharão para mim, a quem trespassaram, e o prantearão como quem pranteia por seu filho único, e chorarão amargamente por ele, como se chora pelo primogênito..." (Zacarias 12:10-11).

A Igreja é a casa de Davi, e os cristãos são a Jerusalém do alto. Pense nisso! Deus prometeu derramar o Espírito de graça e de oração. Muitos prantearão por Ele (incluindo os judeus) vendo como seus pecados O expuseram à vergonha pública, crucificando-O de novo. Eles experimentarão amargura e choro. Isto se refere ao ministério do Cristo vindouro de quem Zacarias profetizou, mas também do Espírito que Deus enviará sobre sua Igreja da última hora que produzirá um grande pranto pelo pecado e um reavivamento de arrependimento. Podemos tocar a trombeta e avisar o povo, mas só uma obra soberana do Espírito Santo pode provocar choro e luto pelo pecado. E Ele prometeu fazer exatamente isso.

"Canta, ó estéril, que não deste à luz; exulta de prazer com alegre canto, e exclama, tu que nunca tiveste dores de parto; porque mais sãos os filhos da desolada, do que os da casada, diz o Senhor. Amplia o lugar da tua tenda, e as cortinas das tuas habitações se estendam, não o impeças; alonga as tuas cordas, e firma bem as tuas estacas. Porque transbordarás à mão direita e à esquerda; a tua posteridade possuirá as nações, e fará que sejam habitadas as cidades assoladas" (Isaías 54:1-3).

Alguns argumentariam que esta Igreja do ultimo dia não é estéril. Apontaria para todas as igrejas imensas, para todos os ministérios, e para as multidões que freqüentam seminários religiosos, conferências, reavivamentos, e que devoram livros e vídeos religiosos. Mas o que Deus chama de filhos espirituais, e o que a Igreja vem chamando de filhos são duas coisas muito diferentes. Enquanto a igreja tem se concentrado no crescimento numérico, em influência e sucesso, Paulo está clamando, "Meus filhinhos, por quem sinto de novo as dores de parto, até que Cristo seja formado em vós." (Gálatas 4:19). Paulo diria, "Não me diga quantos freqüentam a sua igreja. Não me diga quantos comparecem às suas funções, quanta literatura você distribui, quantas Bíblias você vende, quantos testemunhos na rua - diga-me quantos estão sendo formados à semelhança de Cristo! Quantos estão caminhando para a santificação?"

Amós profetizou a um povo de Deus que o adorava com coração pecaminoso: "Aborreço, desprezo as vossas festas, e as vossas assembléias solenes não me dão nenhum prazer. Ainda que me ofereçais holocaustos, juntamente com as ofertas de cereais, não me agradarei deles, nem atentarei para as ofertas pacíficas de vossos animais cevados. Afasta de mim o estrépito dos teus cânticos, porque não ouvirei as melodias dos teus instrumentos. Corra, porém, a justiça como as águas, e a retidão como ribeiro perene" (Amós 5:21-24). E Isaías, anunciando a Palavra de Deus, disse: "Não continueis a trazer ofertas vãs! O incenso é para mim abominação, e também as luas novas, os sábados, e a convocação das congregações; não posso suportar iniquidade, nem o ajuntamento solene. As vossas luas novas, e as vossas solenidades, a minha alma as aborrece. Já me são pesadas; estou cansado de as sofrer. Pelo que, quando estendeis as vossas mãos, escondo de vós os meus olhos! Cessai de fazer o mal" (Isaías 1:13-16).

Alguns se vangloriam de que estamos no reavivamento, que a mensagem da prosperidade que lota auditórios é a Palavra de Deus, que muitos filhos espirituais estão nascendo. Creio que Deus considerará os últimos 20 anos como um período de fome da Palavra, como anos que o gafanhoto comeu, anos de egoísmo, anos em que intrusos foram exaltados na casa de Deus, anos de música diabólica, pregadores orgulhosos, loucura pelo dinheiro, construção de impérios, anos de superficialidade. "Foram infiéis ao Senhor, geraram filhos bastardos" (Oséias 5:7). "Eu mesmo te plantei como vide excelente, uma semente inteiramente fiel. Como, pois, te tornaste para mim uma planta corrupta, com de vide brava?" (Jeremias 2:21).

Muitos cristãos se tornaram estéreis porque se sentaram numa igreja estéril e ouviram um pastor estéril sem a unção de Deus. No processo, eles se tornaram famintos no nível espiritual, sem autoridade espiritual. Famílias sofreram; filhos se transviaram; casamentos desmoronaram. Ou então, foram para uma igreja onde nasceram muitos Ismaéis. Ismael representa a carne. Muito embora Abraão tenha orado "Oxalá viva Ismael diante de ti", Deus disse: "Lança fora a escrava e seu filho, pois de modo algum o filho da escrava herdará com o filho da livre" (Gálatas 4:30). Há, hoje, muitos Ismaéis nascendo nas igrejas - cristãos dominados pela carne, reivindicando a herança da justiça.

Deus irá purificar, sarar e abraçar sua esposa e dar a ela verdadeiros Isaques, filhos segundo o Seu coração. "Canta, ó estéril, que não deste à luz; exulta de prazer com alegre canto, e exclama, tu que nunca tiveste dores de parto; porque mais são os filhos da desolada, do que os da casada, diz o Senhor" (Isaías 54:1). Deus não está simplesmente falando sobre transferir multidões, esvaziando a casa de Ismael e multiplicando os justos. Isso é muito mais profundo do que multidões, números e sucesso. Deus, e não o homem, vai efetuar a contagem. "Poderei eu inocentar balanças falsas, com um saco de pesos enganosos?" (Miquéias 7:11). "O Senhor, ao registrar os povos, dirá: "Este nasceu em Sião" (Salmos 87:6). Você pode olhar para qualquer grande congregação de cristãos - milhares deles podem estar louvando a Deus com as mãos levantadas, entoando louvores em voz alta, mas Deus realiza a contagem. Ele sabe quem é santo. Ele conhece os que pranteiam pelo pecado. Talvez Ele tenha lá apenas uns poucos nascidos em Sião. Deus não se impressiona com multidões, pois os músicos de "rock" atraem as maiores delas.

Deus promete, porém, que a Sião santa vai dar à luz mais filhos do que a casa de Ismael. Esta é a promessa inquebrável de uma grande reunião. "Amplia…se estendam…alonga…firma bem…transbordarás à mão direita e à mão esquerda" (Isaías 54:2-3). Deus vai remover a vergonha e o opróbrio de sua Igreja. "Não temas; não serás envergonhada. Não te envergonhes; não serás humilhada. Antes te esquecerás da vergonha da tua mocidade, e não te lembrarás mais do opróbrio da tua viuvez" (Isaías 54:4). O que é esta vergonha e este opróbrio? É a falta de autoridade espiritual sobre os poderes de Satanás. Quando cercado pelos perversos assírios, Ezequias disse: "Este dia é dia de angústia e vitupérios e blasfêmias, porque chegados são os filhos ao parto, e força não há para os dar à luz" (Isaías 37:3). Lá estava o inimigo despejando desprezo sobre os israelitas, amontoando blasfêmia contra o seu Deus. Este é um exemplo do que temos visto na obra cristã - dores de parto, sem parto. Parece que o diabo zomba de cada tentativa de nossa parte. A Igreja tem sido insultada e ridicularizada por causa de sua fraqueza. Quantos cristãos sabem o que significa ser quase vitorioso, quase vencedor? E Satanás ri. Mas Deus promete: "Removerei a vergonha. Você dará à luz. Um exército virá do seu ventre. Um exército vitorioso."

A vergonha da Igreja é sua impotência diante de inimigos gigantes. Davi perguntou: "Que farão ao homem que matar este filisteu… Quem é este incircunciso filisteu, para afrontar os exércitos do Deus vivo?" (1 Samuel 17;26). Era uma vergonha ser levado à parede e ser humilhado pelo inimigo. Era vergonha e repreensão ver o povo de Deus chafurdando-se no medo. Mas Deus prometeu dar à luz filhos sem esta vergonha e censura sobre eles. É certo que derrubarão seus Golias. Serão a glória e a honra do nome de Deus. Nunca mais a vergonha de esconder-se ou fugir correndo.

Este tipo de filhos nascem apenas do ventre consagrado de uma esposa fiel, amorosa, pura. Esta esposa voltou porque estava abatida no espírito, desolada, solitária, ansiando pela volta ao seu Senhor. Agora está estabelecida em justiça (veja Isaías 54:13.14). Não há falsa doutrina nesta igreja, nem há medo. Mas há grande paz e confiança em contraste ao terror em redor.

Este ultimo reavivamento virá porque Deus se compadecerá de Seu próprio nome. Ele santificará o Seu nome perante o mundo inteiro. Deixe-me citar uma grande profecia de Ezequiel: "Mas eu os poupei por amor do meu santo nome, que a casa de Israel profanou entre as nações para onde foi. Dize, portanto, à casa de Israel: Assim diz o Senhor Deus: Não é por amor de vós que eu faço isto, ó casa de Israel, mas pelo meu santo nome, que foi profanado entre as nações, o qual profanastes no meio delas. Então as nações saberão que eu sou o Senhor, diz o Senhor Deus, quando eu for santificado aos seus olhos. Pois eu vos tirarei dentre as nações, e vos congregarei de todos os países, e vos trarei para a vossa terra. Então espargirei água pura sobre vós, e ficareis purificados; de todas as vossas imundícias e de todos os vossos idos vos purificarei" (Ezequiel 36:21-25).

Creio que Deus ainda tem uma aliança futura para os judeus. Mas os profetas viram os nossos dias e todas essas profecias são de dupla aplicação. Um reavimento de santidade imerecido - uma última reunião de um remanescente puro - já está acontecendo. Porque Deus determinou encerrar as eras com uma poderosa exaltação do Seu nome. Que demonstração de poder será! Poder entrar na abundância das riquezas de Jesus Cristo!

Download PDF