O Corpo de Cristo | World Challenge

O Corpo de Cristo

David WilkersonJuly 29, 2002

O apóstolo Paulo instrui: “Vós sois corpo de Cristo; e, individualmente, membros deste corpo” (I Coríntios 12:27); e então diz mais especificamente, “Assim como o corpo é um e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, constituem um só corpo, assim também com respeito a Cristo” (12:12).

Paulo está dizendo basicamente, “Dê uma olhada em seu próprio corpo. Você tem mãos, pés, olhos, ouvidos. Você não é apenas um cérebro isolado, desligado dos demais membros. Bem, é do mesmo jeito com Cristo. Ele não é apenas o cabeça. Ele tem um corpo, e nós constituímos os seus membros”.

O apóstolo a seguir mostra, “Nós, conquanto muitos, somos um só corpo em Cristo e membros uns dos outros” (Romanos 12:5). Em outras palavras, não estamos apenas ligados a Jesus, o nosso cabeça. Estamos também unidos uns aos outros. O fato é que não podemos estar ligados a Ele, sem também estarmos unidos a nossos irmãos e irmãs em Cristo.

Paulo conduz a este ponto, dizendo, “O pão que partimos não é a comunhão do corpo de Cristo? Porque nós, embora muitos, somos unicamente um pão, um só corpo; porque todos participamos do único pão” (I Coríntios 10:16-17). Em termos simples, todos somos alimentados pelo mesmo alimento: Cristo, o maná dos céus. “O pão de Deus é o que desce do céu e dá vida ao mundo” (João 6:33).

Jesus declarou, “Eu sou o pão da vida... Eu sou o pão vivo que desceu do céu... Quem de mim se alimenta por mim viverá” (João 6:35, 51, 57). A imagem do pão aqui é importante. O nosso Senhor está dizendo, “Se você vier a Mim, será nutrido. Você estará ligado a Mim, como membro do Meu corpo; portanto receberá força do fluxo de vida que está em Mim”. Realmente, todo membro do Seu corpo extrai força de uma única fonte: Cristo, o cabeça; tudo de que precisamos para levar uma vida vitoriosa flui para nós vindo dEle.

Este pão é o que nos distingue como membros do Seu corpo. Somos colocados à parte do resto da humanidade porque nos alimentamos de um único pão: Jesus Cristo. “Todos participamos do único pão” (I Coríntios 10:17).

Alguns cristãos, porém, não querem estar unidos a outros membros do corpo. Eles têm comunhão com Jesus, mas deliberadamente se isolam dos outros crentes. Não querem ter nada a ver com o corpo, além da cabeça.

Mas um corpo não pode ser compreendido de apenas um único membro. Você consegue visualizar uma cabeça com um só braço crescendo dela? O corpo de Cristo não pode ser constituído de uma cabeça apenas, sem membros ou órgãos. O Seu corpo consiste de vários membros. Simplesmente não podemos ser um com Cristo sem sermos um também com o Seu corpo.

Veja, não temos necessidade apenas da cabeça. Mas do corpo todo. Estamos entrelaçados não apenas por nossa necessidade de Jesus, mas por nossa necessidade um do outro igualmente. Paulo afirma, “Não podem os olhos dizer à mão: Não precisamos de ti; nem ainda a cabeça, aos pés: Não preciso de ti” (I Coríntios 12:21).

Note a segunda parte deste versículo. Nem a cabeça pode dizer a outro membro, “Não preciso de ti”. Que declaração incrível. Paulo está falando, “Cristo jamais irá dizer a qualquer membro do Seu corpo, ‘Não preciso de ti’”. O nosso cabeça de boa vontade se conecta a cada um de nós. E mais, Ele diz que somos todos importantes - e mesmo necessários - para o funcionamento do Seu corpo.

Isso é especialmente uma realidade quanto aos membros que podem estar machucados e sofrendo. Paulo enfatiza, “Os membros do corpo que parecem ser mais fracos são necessários” (12:22). O apóstolo a seguir acrescenta, “E os que nos parecem menos dignos no corpo, a estes damos muito maior honra; também os que em nós não são decorosos revestimos de especial honra” (12:23). Ele está falando daqueles no corpo de Cristo que não são vistos, ficam escondidos, desconhecidos. Aos olhos de Deus, estes membros têm grande honra. E são totalmente necessários à obra do Seu corpo.

Esta passagem tem profundo significado para todos nós. Paulo está falando, “Não importa o quão pobre possa ser a imagem que você tem de si mesmo. Você pode achar que não está à altura como cristão. Mas o próprio Senhor diz, ‘Tenho necessidade de ti. Você não é só um órgão importante do Meu corpo. Você é vital e necessário para que ele funcione’”.

Cada parábola de Cristo contém uma verdade oculta vinda de Deus. Tais segredos foram compartilhados pelo Pai, pelo Filho e pelo Espírito Santo antes da criação: “Abrirei em parábolas a minha boca; publicarei cousas ocultas desde a criação [do mundo]” (Mateus 13:35). Jesus testifica que essas verdades ocultas são reveladas apenas aos que gastam tempo para buscá-las.

Em Mateus 22, lemos uma parábola que creio revelar muito a respeito do corpo de Cristo. Nela, Deus delineia propósitos eternos em levantar um corpo de crentes. Resumindo, Ele quer uma noiva para o Filho. Esta noiva deve ser unida a Jesus, entrelaçada com Ele como uma só carne, um corpo. Cristo se tornará a própria vida dela, bem como a sua fonte. Ele será conectado a ela, e ela a Ele.

Jesus começa a parábola dizendo, “O reino dos céus é semelhante a um rei que celebrou as bodas de seu filho. Então, enviou os seus servos a chamar os convidados para as bodas” (Mateus 22:1-3). O rei nessa parábola claramente é Deus o Pai. E o filho aqui é Cristo.

Aqui vemos o Pai enviando o Espírito Santo para buscar uma noiva para o Filho. A noiva, claro, é a igreja de Jesus Cristo. E esta noiva é constituída de muitos membros. De fato, ela compreende cada pessoa que aceita o convite do rei para a ceia das bodas.

Porém, Jesus declara no verso seguinte, “mas estes não quiseram vir” (22:3). Ele está falando aqui de Sua própria pregação aos judeus. Ele insiste para que Israel O receba, mas se recusaram. As escrituras dizem, “Veio para o que era seu, e os seus não o receberam” (João 1:11).

Então o rei tentou mais uma vez: “Enviou ainda outros servos, com esta ordem: Dizei aos convidados: Eis que já preparei o meu banquete; os meus bois e cevados já foram abatidos, e tudo está pronto; vinde para as bodas. Eles, porém, não se importaram e se foram, um para o seu campo, outro para o seu negócio; e os outros, agarrando os servos, os maltrataram e mataram” (Mateus 22:4-6).

Não apenas os judeus mataram Jesus, como mataram os apóstolos que se seguiram. Então, Cristo lhes diz, “O rei ficou irado e, enviando as suas tropas, exterminou aqueles assassinos e lhes incendiou a cidade” (22:7). Jesus estava falando profeticamente aqui. Apenas décadas após a Sua morte, os exércitos romanos marcharam sobre Jerusalém e destruíram a cidade santa. Antes disso, na história de Israel, Deus tinha usado a Assíria para castigar o Seu povo. Agora Ele enviou os generais romanos Vaspiano e Tito para reduzir Jerusalém a cinzas. Assim, a profecia de Jesus se cumpriu ao pé da letra: “Eis que a vossa casa vos ficará deserta” (23:38).

A passagem seguinte na parábola contém a essência da minha mensagem a respeito do corpo de Cristo. Jesus diz, “Então, disse aos seus servos: Está pronta a festa, mas os convidados não eram dignos. Ide, pois, para as encruzilhadas dos caminhos e convidai para as bodas a quantos encontrardes. E, saindo aqueles servos pelas estradas, reuniram todos os que encontraram, maus e bons; e a sala do banquete ficou repleta de convidados” (22:8-10).

Desde o calvário, o evangelho saiu para toda a humanidade: judeu e gentio, escravo e livre, rico e pobre, bons e maus igualmente. É assim que “a sala do banquete ficou repleta de convidados”. Por favor, entenda, esta cena não se trata da ceia das bodas do Cordeiro. Tal celebração terá lugar após o julgamento. Não, essa ceia é um banquete de adoção. E os convidados são os que atendem ao chamado para receber Cristo como Senhor.

Pense. Segundo Jesus, esta noiva compreende “todos os que encontraram, maus e bons” (22:10). Um grupo assim inclui pessoas anteriormente más: viciados, alcoólatras, prostitutas, assassinos, jogadores de azar, traficantes. Mas também inclui pessoas anteriormente boas, as quais no passado confiaram na justiça da carne.

Agora todas elas foram transformadas. Elas confessaram seus pecados e foram lavadas pelo sangue de Cristo. Como é cantado por tantos a cada semana, elas testificam “Ele me levou ao salão de banquetes, e o seu estandarte sobre mim é o amor” (Cantares 2:4).

Quando Jesus diz que o banquete ficou “repleto” de convidados, a palavra em grego que Ele usa é pletho. Significa impregnar, encher, influenciar. Em outras palavras, tais convidados representam o corpo lavado e remido de Cristo. Eles foram influenciados, impregnados e cheios pelo Santo Espírito de Deus. E Ele revestiu cada um deles com mantos nupciais brancos.

Tipicamente, entendemos um banquete nupcial durando algumas horas. Na cultura judaica dos dias de Jesus, tais festas podiam durar até sete dias. Mas para Deus, um dia é como mil anos. E nessa parábola, o regozijo que estamos vendo dura desde o calvário. Tem prosseguido por séculos. E não findará enquanto o Noivo não voltar.

Prezado santo, você dá conta do que isso significa? Todo dia é o seu dia de núpcias. Como membro do corpo de Cristo, você é parte da Sua noiva. Isso quer dizer que a cada manhã quando você se levanta, deverá vestir o seu manto nupcial branco. Se ele se tornar maculado ou sujo, você deverá levá-lo à palavra dEle, para ser lavado. E você deve usar a aliança de casamento o tempo todo. Ela significa o seu status de casado, selado pelo Espírito Santo. Finalmente, você deve se banquetear no pão dos céus: Cristo, o maná celestial.

ESTE BANQUETE NUPCIAL ESTÁ ACONTECENDO TODOS OS DIAS NO CORPO DE CRISTO. PORÉM, UM INTRUSO FOI DESCOBERTO NO SALÃO DE BANQUETES. Jesus continua a parábola:

“Entrando, porém, o rei para ver os que estavam à mesa, notou ali um homem que não trazia veste nupcial e perguntou-lhe: Amigo, como entraste aqui sem veste nupcial? E ele emudeceu. Então, ordenou o rei aos serventes: Amarrai-o de pés e mãos e lançai-o para fora, nas trevas; ali haverá choro e ranger de dentes” (Mateus 22:11-13).

Quem é este homem na parábola? Claramente, a sua identidade é um assunto sério, devido ao horrível destino que tem. Alguns comentaristas sugerem que este homem represente aqueles que vão a Cristo vestidos de trapos de sua própria justiça ou retidão; a imagem seria a de uma pobre alma iludida e esfarrapada condenada por sua própria autossuficiência.

Não aceito essa interpretação. Você pode se chocar quando eu disser quem eu acho que possa ser este homem. Vejo uma pista quando o rei se dirige a ele como “Amigo”. Jesus usa o mesmo nome para se dirigir a Judas, antes de ser traído. Acredito que o rei nessa parábola esteja usando a palavra com bastante escárnio. Afinal, ele está prestes a enviar este homem para o inferno.

Em minha opinião, este visitante é o próprio homem do pecado: Satanás. Eu o imagino desfilando pela a festa, vestindo um lindo manto roxo de sua própria criação, e não o manto prescrito. Ele é a própria imagem do orgulho.

Por que o homem do pecado não foi barrado à porta? Acho que Zacarias dá a resposta. O profeta diz, “Deus me mostrou o sumo sacerdote Josué, o qual estava diante do Anjo do Senhor, e Satanás estava à mão direita dele, para se lhe opor. Mas o Senhor disse a Satanás: O Senhor te repreende, ó Satanás; sim, o Senhor, que escolheu a Jerusalém, te repreende” (Zacarias 3:1-2).

Josué, claro, representa o alto sacerdócio, os salvos por Jeová. Para os crentes de hoje, ele também representa o corpo de Cristo, sacerdócio real de Deus. Na visão de Zacarias, Satanás ficava ao lado de Josué para “se lhe opor”. A palavra “opor” aqui significa atacar e acusar.

Tenho de confessar, não sei porque a Satanás é permitido acusar e atacar o povo de Deus. Mas realmente sei o que Deus diz se dará com o nosso inimigo: “foi expulso o acusador de nossos irmãos, o mesmo que os acusa de dia e de noite, diante do nosso Deus” (Apocalipse 12:10). Um dia, o Senhor irá prender o Diabo e lançá-lo à prisão eterna.

Mas isso não aconteceu ainda. Enquanto isso, Satanás sabe que seu tempo é curto. Então ele vai contra o corpo de Cristo com grande ira; em verdade, seus ataques são marcados por uma ousadia e uma desfaçatez como nunca antes. Por que ? Ele sabe que a maior ameaça contra ele é um corpo de crentes lavados pelo sangue, caminhando em unidade. E nestes últimos dias, o Espírito Santo tem realizado a maravilhosa obra de levantar e unir santos em todo o mundo.

Esses dedicados servos se mantêm juntos como um só corpo. Amam uns aos outros, oram uns pelos outros, ministram aos que estão feridos e desencorajados dentre eles. E também ficam unidos nas batalhas. Eles combatem o inimigo, amarrando o seu reino, expulsando principados, tendo autoridade sobre os poderes do inferno.

Vemos este exército dos últimos dias na parábola de Jesus, materializado na festa de casamento. Estes guerreiros lavados pelo sangue são reunidos na mesa de festas de Cristo, onde se fortalecem banquetando-se com o Seu pão. E todos eles têm um objetivo: estar totalmente preparados para encontrar o Noivo quando Ele chegar.

Não deveríamos nos surpreender de modo algum que Satanás tenha se intrometido na casa de Deus. É a sua última chance de tentar romper o crescente e amadurecido corpo de Cristo. Ele então entrou no banquete nupcial no tumulto, procurando destruir todos que conseguisse. E está convencido de que o melhor jeito de fazer isso é tentar destruir os eleitos de Deus.

Como o Diabo promove isso? Ele faz o que sempre fez desde o calvário: ele mente para você. Ele lhe acusa. Ele injeta dúvidas e temores em sua mente. Imagino essa figura vestida de roxo, pulando pelas mesas, procurando convidados para enganá-los. Ele planta dúvidas e temores neles, sutilmente os acusa, e tenta manchar suas vestes brancas.

Acredito que encontramos a chave para a estratégia de Satanás em Gênesis 3. O Diabo tinha acabado de conseguir enganar Eva. Agora Deus lhe diz, “Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar” (Gênesis 3:15).

A semente da mulher referida aqui é Jesus. Em outras palavras, o Messias procederia da humanidade. E Deus estava profetizando a obra vitoriosa dEle na cruz. No calvário, Cristo iria por o Seu pé sobre a cabeça de Satanás e feri-lo.

Mas o Senhor também profetizou que Satanás iria ferir os pés de Cristo. O que isso significa exatamente? Como membros do corpo de Cristo, somos a Sua semente. Obviamente, alguns desta grande semente constituem o calcanhar no corpo de Cristo. A quem isso se refere?

Temos duas pistas. Primeiro, o calcanhar é parte do corpo. Sabemos que o maior papel do pé é sustentar ou andar. Assim, eu creio que os pés no corpo de Cristo são feitos daqueles crentes que tomam posição por Jesus. Estes membros são também responsáveis por andar segundo a direção do Espírito Santo. Note que tais trabalhos são funções de apoio. Na maioria estão ocultos e não visíveis, enquanto outras partes do corpo são notadas. Nestes aspectos, os pés são um exemplo para as outras partes do corpo de Cristo.

Mas o pé é também uma das partes mais sensíveis do corpo. É coberto a maior parte do tempo para proteção. Neste aspecto, o significado em hebraico para machucar, ferir – se torna revelador. Significa fazer tropeçar, ou ficar à espreita para um passo em falso. Simplificando, creio que Satanás coloca em mira os membros do corpo de Cristo que são sensíveis e facilmente feridos.

Você provavelmente conhece esses cristãos. Eles amam Jesus de todo coração. Mas muitas vezes acham que não estão à altura do que se espera deles. Se desesperam para agradar a Deus, mas estão convencidos de que nunca conseguem isso. Não duvidam dEle, mas de si próprios. E facilmente caem em condenação, se sentindo indignos, indesejáveis e que não são usados.

O Diabo sabe isso deles, porque seus principados têm observado suas vidas. Assim, quando Satanás entra no salão de banquetes do Rei, está totalmente preparado para atacar. Ele faz uma ronda, cochichando acusações em seus ouvidos. Seu alvo? Convencer estes santos de corações ternos a desistir. Ele quer vê-los tirando as vestes brancas, e indo embora da mesa do banquete em total desespero.

Preciso lhe perguntar: Satanás já esteve na sua mesa? Você já pode ter ouvido uma voz cochichando:

  • “Você aparenta ser puro e santo. Mas teu coração está negro de pecado. Você vai fracassar com Deus. Você é um hipócrita inútil”.
  •  “Os demais cristãos não te respeitam, porque você não tem talento. Você é uma pessoa óbvia. Ninguém te ama”.
  • “Aquele teu velho pecado vai te pegar. Você vai desgraçar Deus e o Seu povo. E o seu nome vai cair em desgraça”.
  • “Pode esquecer todas aquelas promessas que você acha Deus tenha lhe dito. Eu te enganei. Era a minha voz que você ouviu”.
  • “Deus está zangado contigo. É por isso que suas orações não são respondidas. Você peca muito”.
  • “Você está prestes a perder o emprego. Você vai acabar na pobreza total”.
  • “Você não vai conseguir. Você vai cair antes de chegar ao fim”.

Dia e noite você ouve estas acusações. Quero lhe dizer que Satanás só quer puxar você para fora da mesa do banquete. E então lhe deixar morrer de fome, sem o alimento vindo de Cristo. Ele quer lhe deixar isolado, para que você envenene o espírito. Ele está tentando lhe convencer de que “Você não está à altura. Pra que continuar? Você jamais vai ser um membro do corpo santo de Cristo”.

A verdade é que Satanás sabe que o seu maior inimigo é um corpo unido de crentes. Ele está sabendo da promessa de Jesus de que toda vez que dois ou três se reunirem, o Pai alegremente concederá seus pedidos. É por isso que ele está determinado a nos pegar, um por um.

O rei finalmente se confronta com este homem, e pergunta, “Como você entrou aqui sem a veste nupcial?”. Ele está dizendo basicamente, “O quê você acha que está fazendo aqui, assediando o meu povo? Você achou que eu não te veria? Você achou que eu não iria tratar com você?”.

Desde a primeiríssima mentira que Satanás cochichou a você, Deus tem observado cada ação dele. E se moveu para silenciar as mentiras do Diabo. As escrituras dizem que o rei deixou o homem sem fala (v. Mateus 22:12). Deus estava dizendo, “Chega de acusações no Meu salão de banquetes, Satanás. Chega de tuas mentiras com o Meu povo”. E então o rei ordena aos servos, “Amarre-o e o lance nas trevas”.

Finalmente, a parábola conclui com estas palavras do rei: “Porque muitos são chamados, mas poucos escolhidos” (22:14). Vejo Deus olhando para aquele salão de banquetes, declarando, “Por muitos anos chamei Israel, através dos apóstolos. Mas se recusaram a ouvir. Agora estes convidados em Minha casa responderam ao chamado. Lhes digo então: eles foram escolhidos. E não permitirei que Satanás corte nenhum deles do Meu corpo”.

Sabemos que o Diabo ainda não foi lançado à sua eterna prisão. Porém, ao celebramos na mesa de banquetes, aguardando a vinda do Noivo, recebemos uma ordem. O Rei nos tem ordenado a amarrar o Diabo e lançá-lo fora do salão de banquetes. Em resumo, precisamos nos levantar e tomar atitudes sérias contra os ataques de Satanás sobre o corpo de Cristo.

Surpreende, mas este mandamento é ignorado por muitos cristãos. Toda vez que vemos um crente de coração terno sofrendo dores, dizemos, “Vou oferecer consolação a ele; quero ser alguém que o ouça”. Ou, “Posso lhe dar um apoio. Vou lhe levar alimentos, ou oferecer ajuda financeira”. Isso realmente é atitude piedosa de amor. Mas muitas vezes, não é suficiente.

Se sabemos que Satanás está contando mentiras para a vida de alguém, somos obrigados a fazer mais do que apenas ouvi-lo ou oferecer conselhos. Devemos juntar outros crentes e exercer autoridade sobre o inimigo. Jesus diz que certos tipos de opressão demoníaca “não se expulsa senão pela oração e pelo jejum” (Mateus 17:21). Assim, com jejum e oração, devemos amarrar o inimigo. E devemos lançá-lo para fora da mente, da alma e das circunstâncias de nossos concidadãos crentes.

Gastei muitas horas tentando aconselhar crentes caídos para sair dos problemas. Porém mais e mais, reconheço o Diabo sobre eles, convencendo-os com suas mentiras. Agora, toda vez que vejo o Diabo agindo sobre um outro santo mais sensível, uma ira santa surge em mim. E me convenço de que tenho de fazer o quê todo real ministro do corpo é chamado a fazer: amarrar as mãos e os pés de Satanás, em nome de Jesus, e lançá-lo às trevas.

Você está vivendo sob uma nuvem de desespero? Você conhece um irmão ou irmã que esteja abatido, ouvindo as acusações de Satanás? Eu lhe exorto, vá procurar crentes - gente de oração - no corpo de Cristo. Vá até aqueles que verdadeiramente conheçam o coração de Deus. E que eles mostrem as mentiras do inimigo como elas são.

As escrituras dizem que se um sofre, todos sofremos. Por isso é absolutamente vital que nos reunamos em nome de Jesus, a favor do outro. Devemos invocar a autoridade do Salvador, amarrar o inimigo, e lançá-lo fora da vida uns dos outros. Então seremos capazes de trazer cativo todo pensamento à obediência a Cristo. Este é verdadeiramente o trabalho do corpo de Cristo.

Download PDF