QUEM PODE ENDIREITAR? | World Challenge

QUEM PODE ENDIREITAR?

Gary WilkersonFebruary 15, 2021

Vendo O Propósito De Deus Em Cada Curva Tortuosa

Muitos cristãos passam por uma mudança em suas vidas que eles nunca imaginaram que passariam. Quando a mudança chega, causa uma provação contínua que eles não poderiam imaginar em seus piores pesadelos. Sua vida estava em um curso abençoado, talvez era uma vida de ambição e realização, desejo e cumprimento, buscando as coisas para as quais eles sentem que Deus os criou. A própria vida parecia uma linha reta para frente com uma perspectiva promissora e com todas as coisas boas pela frente. Então, sua sorte na vida deu uma guinada tortuosa.

Séculos atrás, um líder de igreja chamado Thomas Boston descreveu isso em um livro que escreveu, O Bandido no Lote. O “bandido” que ele descreve é o sério afastamento da “sorte” reta da vida. O livro aborda um assunto sério, colocando a questão “O que pode endireitar o torto em nossa sorte?”

Eu ponderei essa questão profundamente depois de conhecer algumas pessoas que passaram por uma grande curva em sua sorte. Eu me perguntei, quem poderia consertar a sorte de uma mãe cujo marido morreu e agora teve que criar cinco filhos sozinha? Quem poderia consertar a sorte da menina amarrada a uma cadeira de rodas desde o nascimento porque ela herdou certo gene de um dos pais?

Algumas sortes podem ser endireitadas, mas e aqueles cujas curvas destruiu seus sonhos?

Você pode se opor a esta pergunta, dizendo: “Deus nunca colocaria uma curva permanente no caminho reto de seus filhos. Isso tem que ser obra de Satanás”. Não, Jesus diz que essas curvas fazem parte da vida: “No mundo tereis aflições” (João 16:33, ESV).

Na verdade, as escrituras deixam claro que o assunto mais importante em nossa vida não é o que dá errado, nem nosso bem-estar financeiro, nem nosso cônjuge ou filhos, nem nossa saúde. A melhor coisa que jamais teremos é um relacionamento íntimo, pessoal e amoroso com Jesus como parte de seu corpo. Nada tem precedência sobre esse relacionamento, pois ele abrange tudo sobre nós. “O Deus em cujas mãos está o teu sopro, e de quem são todos os teus caminhos” (Daniel 5:23).

Até Jó, que suportou perdas agonizantes, aceitou essa verdade. “Mas ele é imutável, e quem pode fazê-lo voltar? O que ele deseja, isso ele faz. Pois ele completará o que designou para mim, e muitas coisas semelhantes estão em sua mente” (Jó 23:13-14).

A pergunta para cada um de nós, incluindo todos os que experimentaram uma curva, é: “Como isso afeta meu relacionamento com Jesus?”. Para o seguidor de Cristo, a resposta é encontrada em uma pergunta adicional: “Desejo tudo o que me leva no curso de amá-lo, adorá-lo, servi-lo e honrá-lo, mesmo que seja difícil e doloroso? Eu sei que estou em suas mãos, não importa o que eu enfrente. Estou disposto a permitir que Deus – até mesmo recebê-lo – faça o que quiser com a minha sorte, de acordo com a vontade dele?”.

Por definição, uma curva afeta todos os aspectos de nossa vida.

Se nossa vida der uma volta tortuosa em seu curso normal, tudo será afetado. Todo o nosso ser terá sido mudado para uma direção completamente diferente. A dor que sentimos como resultado é abrangente, afetando-nos mentalmente, emocionalmente, relacionalmente e possivelmente fisicamente.

Paulo foi tão profundamente afetado por uma das muitas curvas em sua sorte que disse que Satanás tinha que estar envolvido: “Foi-me dado um espinho na carne, um mensageiro de Satanás para me perseguir” (2 Coríntios 12:7). Todos nós já experimentamos esses “espinhos”. Você pode ser um Diretor Executivo talentoso liderando uma reunião de negócios visionária, mas se uma farpa se cravar em seu polegar, nada te livrará da pulsação dolorosa que lateja enquanto você fala.

Deve ser isso o que Paulo experimentou, e devemos nos perguntar o por que Deus permitiria isso. Paulo era um pregador persuasivo e ungido, cuja liderança ousada e exemplo de sacrifício trouxeram o poder do evangelho de Cristo para nação após nação. Simplificando, Paulo era provavelmente a voz mais eficaz de Jesus Cristo no mundo naquela época. Com o Cristianismo apenas alguns anos de idade e confinado a um pequeno número de pessoas em uma pequena região do mundo, por que Deus permitiria que a obra de Paulo fosse prejudicada?

Paulo deixa claro que embora seu espinho viesse do inimigo, ele serviu a uma intenção de Deus. Ele até mesmo nomeou essa intenção: “impedir que eu me exaltasse por causa da grandeza insuperável das revelações que recebi” (12:7). O ministério de Paulo foi tão poderosamente ungido que Deus teve que contê-lo. Sem essa restrição, sugeriu Paulo, o resultado poderia ter sido um orgulho mortal.

Precisamos apenas olhar para tantos pastores caídos ao longo dos anos para saber que a misericórdia de Deus estava por trás do espinho de Paulo. Quando se tratava da curva em sua própria sorte, Paulo entendeu que tinha um propósito. Ele sabia que não importava o que acontecesse com ele – e quase tudo aconteceu com ele – isso vinha da mão do Pai, cujo amor por ele nunca esteve em dúvida.

Paulo expressou isso aos Romanos em uma frase que multidões de cristãos em todo o mundo hoje sabem de cor: “E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito” (Romanos 8:28). Paulo até mesmo descreveu esse “bem” em sua carta aos efésios: “Nele obtivemos uma herança, sendo predestinados segundo o propósito daquele que faz todas as coisas segundo o conselho da sua vontade” (Efésios 1:11, minha ênfase).

Uma curva pode levar nossa vida a uma direção desagradável e, em alguns casos, pode parecer que a curva não tem nenhum propósito bom. Mesmo assim, Paulo nos garante que, se Deus permitiu que isso acontecesse, ele está trabalhando para fazer algo eternamente bom, edificando para nós uma herança gloriosa.

Aquele que suportou a maior curva da história modelou nossa resposta para nós.

Claro, Jesus fornece nossa resposta as curvas da vida. Ele orou no Jardim do Getsêmani: “Não como eu quero, Pai, mas como Tu queres” (Mateus 26:39).

Esta frase – “Não a minha vontade, mas a sua” - é algo que os cristãos costumam citar quando procuram a orientação do Senhor. Alguns oram casualmente, como se quisesse dizer: “Senhor, eu não me importo de qualquer maneira”.

Quando Jesus orou isso, não foi uma ocasião casual. Ele estava enfrentando a crucificação, a morte mais horrível que se possa imaginar. No entanto, ele não estava sendo estoico com esta oração. Na verdade, ele acabara de orar para ser poupado da cruz. “Meu Pai, se for possível, passe de mim este cálice” (26:39). Jesus estava pedindo um caminho reto, não a sorte tortuosa que Deus havia colocado diante dele.

Se alguém merecia um passe, foi o Salvador do mundo que viveu uma vida perfeita e sem pecado. No entanto, Jesus olhou para dentro do copo, olhou para os horríveis restos de cada pecado humano ali contido e assumiu seu fardo impossível sobre si mesmo.

Na América, vivemos com uma crença tácita de que simplesmente não deve haver cálice, curva ou mudança em nosso caminho, especialmente se formos cristãos; e ainda assim Jesus bebeu plenamente o cálice que o Pai lhe apresentou. A “curva” na sorte de Jesus pode ter parecido cruel, mas, na verdade, foi a bondade do Pai trabalhando para nossa salvação para a eternidade e para uma vida abundante aqui na terra.

Para um mundo que observava, a morte de Cristo deve ter parecido um desperdício, uma loucura.

Paulo afirma que a “loucura” da crucificação reflete a sabedoria de Deus. “Porque, visto que, na sabedoria de Deus, o mundo não conheceu a Deus por meio da sabedoria, isso agradou a Deus pela loucura do que pregamos para salvar os que creem. …nós pregamos a Cristo crucificado, pedra de tropeço para os judeus e loucura para os gentios, mas para os que são chamados, tanto judeus como gregos, Cristo é o poder de Deus e a sabedoria de Deus” (1 Coríntios 1:21-24, minha ênfase).

Nosso Pai está no controle de cada curva em nossa sorte, assim como ele estava sobre a de seu Filho. Portanto, se ele controla o início de nossa curva, ele também controla seu propósito e fim. Nossa curva pode ser irreversível – uma morte, uma ferida, uma deficiência – aparentemente acabando com todos os nossos sonhos. No entanto, nossa curva não é o fim do plano de Deus para nós.

O acontecimento tortuoso em sua vida pode ser imutável, mas seu coração nunca é imutável. Você pode dizer: “Esta tempestade nunca vai acabar. Naufragou a minha vida além do reparo”. No entanto, ele lhe deu algo para te ajudar através de sua tempestade e te levar para a sua incrível glória.

Se temos uma curva, Jesus está nos pedindo para trocá-la por ele. “Eu tenho dito isso a vocês, para que vocês tenha paz em mim. No mundo tereis tribulações. Mas tenha coragem; Eu venci o mundo” (João 16:33). Nossa curva não deve ser nossa mentalidade. Ela pode afetar todos os aspectos de nossas vidas, todas as horas de nossos dias, mas não é o fim de nossas vidas. Nosso começo e nosso fim estão nele.

Exorto você a orar comigo: “Senhor, Tu és bom em todas as coisas. Tu tens o meu bem em mente em todas as coisas. Portanto, não seja a minha vontade, mas seja a sua vontade nesta curva e por meio desta curva. Ela mudou a trajetória da minha vida, mas não mudou o propósito da minha vida. Isso está em suas mãos. Senhor, tudo o que Tu tens para mim hoje, essa é a minha alegria, porque Tu és a minha alegria”. Amém.

A SPIRIT SET FREE BEHIND BARS

The Great Physician came to heal the sick, and he continues to do his powerful work in the United States’ prisons.

READ NOW

DAILY ENCOURAGEMENT IN YOUR INBOX

Sign up now to receive our Daily Devotional or E-newsletter.

SUBSCRIBE

Download PDF