TENSÃO NO CENÁCULO | World Challenge

TENSÃO NO CENÁCULO

Gary WilkersonMay 20, 2019

Ir Para Lugares Difíceis Para Fazer Obras Maiores

 Quando os cristãos ouvem a palavra “cenáculo”, um dos dois cenários bíblicos vem à mente. Para os carismáticos e pentecostais, a sequência predominante acontece em Atos 1 e 2. No capítulo 1, os discípulos se reuniram no cenáculo de uma casa, e “de comum acordo dedicaram-se à oração, junto com as mulheres e Maria, mãe de Jesus, e seus irmãos ”(Atos 1:14, ESV). Então, no Capítulo 2, as coisas ficam realmente dramáticas.

“Quando o dia de Pentecostes chegou, eles estavam todos juntos em um só lugar. E de repente, veio do céu um som como um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde eles estavam sentados. E línguas divididas como de fogo apareceram para eles e repousaram em cada um deles. E todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito lhes concedia que falassem” (2:1-4).

Este foi Pentecostes e foi incrível. O milagre das línguas foi apenas o começo. Uma multidão de pessoas em Jerusalém observou o que estava acontecendo, e Pedro levantou-se para pregar a eles com grande unção do Espírito Santo. Quando ele terminou, “aqueles que receberam a sua palavra foram batizados, e foram adicionados naquele dia cerca de três mil almas” (2:41).

Os cristãos amam esta história do cenáculo porque demonstra um grande mover de Deus e o impacto imediato do Espírito Santo. Quando pensamos nessa experiência no cenáculo, é uma que gostaríamos de ter.

No entanto, esta sequência em Atos 1e 2 é, na verdade, a segunda experiência do cenáculo mencionada no Novo Testamento. A primeira experiência chega mais cedo, em João 13. Ela ocorre na noite anterior à crucificação de Cristo, e também envolve um sermão, este entregue pelo próprio Jesus.

Jesus sabia que esta era sua última noite com seus amigos, os discípulos, antes de sua morte. Ele abriu seu coração para eles de uma maneira íntima. Para ele, era uma noite para fazer negócios espirituais: ele falou diretamente em seus corações com palavras duras de desafio e correção. Jesus os confrontou sobre traição, negação e recusa em aceitar sua morte, e ele disse tudo em amor. Como o salmista escreve: “Eis que você se deleita na verdade no ser interior” (Salmos 51:6).

Que contraste isso é para a outra experiência no cenáculo em Atos, que ocorreu após a ressurreição de Jesus. Aquela segunda experiência foi uma das palpáveis presenças, salvação, celebração e alegria de Deus. Esta, pelo contrário, foi difícil. Ter esse tipo de experiência difícil é tão importante para um cristão quanto ter o tipo de celebração. Na verdade, às vezes é necessário que haja uma alegre experiência no cenáculo. No primeiro cenáculo, Jesus lida conosco da maneira que ele lidou com seus discípulos: fazendo negócios com nossos corações, nos chamando para sermos honestos com ele e alinhando nossos corações ao dele. Tudo faz parte de seu propósito maior para nós.

Jesus nos chama ao primeiro cenáculo para que nada nos impeça de experimentar o segundo cenáculo.

Nenhum de nós entra voluntariamente no primeiro tipo de experiência do cenáculo. Todos nós queremos o segundo tipo. Nós preferiríamos ver Deus se mover de formas poderosas do que ser confrontado com sua disciplina. Isto foi certamente a verdade dos discípulos. Eles tinham visto milagres, curas e bênçãos, e naturalmente queriam experimentar mais. Essas coisas falaram para eles da presença viva de Deus no mundo, e quando Jesus lhes disse que ele estava partindo, isso sinalizou o fim de tudo isso.

No evangelho de Mateus, quando esse assunto surgiu, Pedro se recusou a ouvir sobre isso. A repreensão de Jesus para ele foi dura. “A partir desse momento, Jesus começou a mostrar aos seus discípulos que ele deveria ir a Jerusalém e sofrer muitas coisas nas mãos dos anciãos, dos principais sacerdotes e dos escribas, para então ser morto e ressuscitar no terceiro dia. E Pedro o levou de lado e começou a repreendê-lo, dizendo: ‘Longe de ti, Senhor! Isso nunca acontecerá contigo’. Mas ele se virou e disse a Pedro: ‘Para trás de mim, Satanás! Você é um obstáculo para mim. Pois você não está fixando a tua mente nas coisas de Deus, mas nas coisas do homem’” (Mateus 16:21-23).

A maioria de nós espera nunca ter esse tipo de encontro com Jesus, mas isso vai acontecer de tempo em tempo em nossa caminhada com ele. Não é um evento único. Não foi a única vez que aconteceu na vida de Pedro. Mesmo depois dos milagres do Pentecostes, o discípulo teimoso ainda foi confrontado com desafios difíceis e santas repreensões. Ao longo de nossas vidas, experimentamos ambas situações do cenáculo em ciclos; é assim que deve acontecer. No entanto, a segunda experiência só acontece para aqueles que estão dispostos a experimentar a primeira experiência de novo e de novo, tendo seus corações continuamente mudados, curados, transformados e renovados pela mão amorosa do Espírito Santo.

Talvez você esteja vivendo nessa tensão agora. Sua vida não reflete uma segunda experiência no cenáculo, mas talvez seja porque você não está disposto a passar pela primeira. Você anseia que as coisas de Deus se tornem vivas para você, mas você não abre mão de certas coisas que as impedem. Se assim for, só há uma coisa a fazer: orar para que Jesus te encontre no primeiro cenáculo.

Há sempre tensão no primeiro cenáculo, por criação.

Quando as palavras de Jesus começaram a afundar com os discípulos, houve medo, incerteza, tensão. Como seria a vida deles sem o reino glorioso que Jesus trouxera? O pensamento disto deve tê-los desorientado. Eles tinham visto pessoas com deficiência serem curadas e multidões famintas serem alimentadas com algumas cestas com sobras. Eles tinham visto Jesus andando na água! Como seria o mundo deles agora sem essas coisas? O que estas coisas diziam sobre o Pai desses milagres que agora poderia estar ausente da Terra? O que aconteceria com a fé deles?

Jesus estava apresentando aos discípulos uma dura verdade. Mais cedo em seu ministério, suas declarações difíceis fizeram com que multidões se afastassem dele. A certa altura, ele se voltou para os discípulos e perguntou: “Vocês também querem ir embora?” (João 6:67). Ele poderia facilmente ter feito a mesma pergunta agora, no cenáculo antes de sua crucificação.

Felizmente, mesmo com as verdades mais difíceis, o Senhor nunca nos deixa em um lugar de desespero. Depois de falar essas coisas difíceis aos discípulos, Jesus alimentou-os com palavras de vida: “Não se turbe o vosso coração. Acredite em Deus; acredite também em mim. Na casa do meu Pai há muitos moradas. Se não fosse assim, eu teria dito-lhes que vou preparar um lugar para vocês? E se eu for e preparar um lugar para você, voltarei e o levarei para mim mesmo, para onde eu também possa estar. E tu sabes o caminho para onde eu vou” (14: 1-4).

Que promessas incríveis! Não há esperança maior debaixo do céu do que estas palavras que Jesus fala àqueles que o seguem. Nós não devemos nos preocupar, porque ele vai adiante de nós. Ele não apenas preparou um lugar para nós em glória eterna, mas também prepara nossos passos aqui na Terra. Ele fielmente nos dá os detalhes de como andar a vida em que ele nos chama. Considere sua maravilhosa profecia aos discípulos: “Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço; e maiores obras do que estas ele fará, porque eu vou para o Pai”(14:12).

Que reviravolta na conversa. No meio de toda essa tensão, Jesus disse a seus seguidores que eles fariam obras maiores do que ele. Como isso aconteceria? Jesus disse que seria assim “porque eu vou para o Pai” (14:12).

Jesus exemplifica como passar por um primeiro encontro no cenáculo, para que possamos experimentar um segundo encontro.

Pense no que Jesus quis dizer quando disse: “Eu vou para o Pai”. Ele não estava falando apenas sobre um local, ou seja, a presença do Pai no céu. Ele também estava falando sobre um processo: sua crucificação, morte e sepultamento. Jesus sabia que ele não seria transladado instantaneamente para o céu. Seu próprio caminho pela frente foi o caminho da cruz, incluindo uma coroa de espinhos e uma flagelação torturante. Ele enfrentou tudo isso antes de subir ao Pai. Agora ele disse aos discípulos, em essência: “As obras que eu faço nos próximos dois dias permitirão um novo trabalho que nunca foi feito antes”.

Isaías profetizou sobre isso: “Ele foi ferido pelas nossas transgressões; ele foi esmagado por nossas iniquidades; sobre ele estava o castigo que nos trouxe a paz e com suas feridas fomos curados. Todos nós, como ovelhas, nos desviamos; nós tornamos – cada um – ao seu próprio caminho; e o Senhor colocou sobre ele a iniquidade de todos nós” (Isaías 53:5-6).

Ao ler estas palavras, me vejo louvando a Jesus pelas obras que ele fez. Por causa da cruz, me foi dado poder para dizer a pessoa após pessoa durante toda a minha vida: “Você está perdido na escuridão. Mas Jesus te ama, te salva e te livra de tudo isso”. Essas conversas simples e humildes somaram milhares de milagres de vida real.

Quando penso naqueles milagres, estou de joelhos diante de Jesus. Eu clamo a ele: “Senhor, leve-me ao cenáculo e fale-me sobre o meu coração. Estou humilhado pelo testemunho de Isaías, ao ver tudo o que Tu fizeste por mim. Fale comigo agora sobre qualquer coisa que precise mudar em meu coração. Eu quero ter o primeiro cenáculo com o Senhor, para que eu também possa experimentar o segundo cenáculo onde milhares esperam a verdade do seu Evangelho. Leva-me lá, Senhor, para que eu possa fazer maiores obras que Tu já criaste para mim”. Amém.

Download PDF